Ler é viajar para outra dimensão

Hoje eu estava fazendo uma faxina no meu quarto. Fui arrumar a estante de livros e percebi que fazem 7 meses que não leio um livro. O último livro que li foi em janeiro, eu acho. Depois houve duas tentativas falhas de tentar ler. Desde que comecei a ler livros (em 2013) eu nunca tinha ficado tanto tempo sem ler.

Quando eu pegava cada livro e me lembrava da história dele, o sentimento que vinha era o mesmo de uma viagem feita. Aquela sensação, aquela saudade sabe? Como se os dias que eu li fossem os dias que eu vivi/ viajei.

E hoje eu estava lembrando do ano passado em que passei um tempo no internato junto com Miles, Capitão e Alasca, das grandes aventuras, da busca pelo “Grande Talvez”.

E da viagem que eu fiz com a Penny e o melhor amigo para Nova Iorque? Simplesmente incrível! Inclusive, ela tem um codinome de Garota Online.

Aah! Outra viagem foram Por Lugares Incríveis, acompanhada pela Violet e pelo Finch. Visitamos cada lugar lindo! O professor de geografia da escola deles sugeriu como trabalho fazer uma visita a três lugares (acho que são três, não lembro agora) do estado. O professor achava que como na faculdade os alunos iriam embora sem conhecer o estado ele passou esse trabalho. E o Finch, incrível como ele é, propôs mais que três lugares, conhecemos locais que as pessoas não iam muito, evitamos locais como atração turística.

Teve um ano que foi bem maluco! A Lara Jean me disse que que escrevia cartas para todos os garotos que ela já amou, parece uma despedida. Ela até colocava dentro de um envelope, fechava e ainda colocava endereço e tudo! Já é bem previsível a loucura que aconteceu: as cartas foram enviadas para esses garotos, mas não foi a Lara quem enviou. Esse é o mistério e ela quer muito saber quem foi. Talvez vocês saibam como a Lara ficou, maluca. hahaha.

Teve uma outra garota que conheci, acompanhei a vida dela desde o ensino médio até o último dia de faculdade. Ela amava cinema desde que nasceu, e é também por causa dela que hoje eu quero fazer cinema. Diferente dessas histórias que citei acima, ela é brasileira, a Fani. Visitamos vários lugares como a terra da rainha e alguns lugares dos Estados Unidos.

Todas essas histórias não têm só as partes boas, tiveram as partes ruins, dificuldades, mas passamos por todas e superamos. Assim como a Laurel, que sofreu muito com a morte da irmã, May. Laurel também escrevia cartas, só que para os mortos. Meio estranho né? Foi um exercício que uma professora da escola passou, ela pediu para que escrevessem uma carta para alguém que já morreu. Laurel escrevia para pessoas famosas, como a Amy Winehouse e Kurt Cobain, tinha outros também, mas não lembro.

Foram tantos dramas, tantas aventuras, mas todas foram muito gratificantes. E sabe qual é a magia de ler? É poder viajar, imaginar e voltar ao mesmo lugar e viver a mesma história com as mesmas pessoas (no caso, personagens). Nós ganhamos amigos. Muitos amigos! Ler é viajar para uma outra dimensão.

Não vou dizer também que são mil maravilhas. Teve uma vez que eu conheci o Greg e aquele amigo dele, o Earl e aquela outra “amiga”, aquela que ia morrer. Digo amiga entre aspas porque ele praticamente foi obrigado a andar com ela. Aquele Greg é muito chato!

Pois é, não são só pessoas (ou personagens) legais que a gente conhece, os chatos também!

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.