Adinkra Sankofa: Se wo were fi na wosankofa a yenkyi.
afrofuturo
Jan 25 · 3 min read

Quando comecei a pesquisar sobre afrofuturismo uma das coisas que mais me chamou atenção foi a repetição de temas distópicos, principalmente na literatura pós-apocalíptica de diversos autores. Preciso confessar que fiquei incomodada e esta recorrência me despertou para a reflexão tema deste texto.


Utopia versus Distopia

Utopia, do grego “ou”, “não” ou prefixo de negação e “topos”, “lugar”, tem, como significado secundário, um lugar que não é no agora, mas que pode ser construído no futuro.

Utopia seria portanto a construção de um lugar futuro, idealizado, ainda não existente no presente. Distopia seria o oposto negativo de utopia, a antítese da possibilidade de construção futura. Uma realidade de destruição, onde todas as expectativas estão mortas.

A distopia africana é a própria realidade da diáspora forçada, forjada num processo de sequestro, escravização, colonização e genocídio que já dura mais de 300 anos no Brasil. Uma realidade de dor reforçada cotidianamente pelo racismo estrutural e estruturante entranhado no seio de uma sociedade cinicamente escravocrata.

Qual seria o uso de narrativas distópicas para o processo de reconstrução de autoestima e agência do povo africano ao redor do mundo? Em que uma narrativa pautada na destruição pode ajudar um povo subjugado pela colonização a se reerguer? Essas perguntas me fizeram rejeitar a ideia de distopia como uma possibilidade de futuro para africanos e africanas, da diáspora e do continente africano.

W. E. B. Du Bois (1973, p. 144) nos diz que os povos da África e da diáspora africana tem “uma grande mensagem […] para a humanidade” e que não devemos esquecer o(s) “método(s) que desenvolvemos para enfrentar a escravidão e lutar contra o preconceito, mas aprendê-los para que sirvam de instrução a nós mesmos e aos outros.”.

Num verdadeiro movimento de Sankofa - determinado pelo povo Akan como a capacidade de olhar para o passado para construir o futuro -, o desafio que se põe é o de construir narrativas que indiquem um caminho de retorno que pavimente a construção do que virá pela frente. Este movimento de retorno precisa estar pautado no acúmulo ancestral de conhecimentos africanos tendo como objetivo final a libertação, principalmente mental, do sequestro psicológico colonial que encarcerou as potencialidades do povo negro à imagens de miséria, destruição e tristeza. Imagens essas repetidas à exaustão pela mídia hegemônica com objetivo de minar as resistências psicológicas à subalternização do indivíduo negro.

Em A alma da gente negra, Du Bois advertiu para o perigo de confundir o povo negro com os problemas que ele enfrenta. Se as condições impostas pela distopia que vivem os africanos atualmente se confundem com seu próprio ser, o resultado é uma subjetividade condenada à escravidão, a confirmação de um futuro distópico desprovido de agência.

É preciso reivindicar a exaltação do legado das civilizações africanas, suas contribuições incalculáveis para a humanidade e honrar os feitos de africanos e africanas que construíram com suas trajetórias a história do povo negro sobre a Terra. Assim, será possível reconstruir utopias que acendam a vontade de criar o afrofuturo para a liberdade.

// Texto por Morena Mariah, africana da diáspora brasileira, integrante do Ciclo Mulherismo Afreekana e graduanda em Estudos de Mídia pela Universidade Federal Fluminense.

Referências:

Afrocentricidade: Uma abordagem epistemológica inovadora — Coleção Sankofa 4 — Organização de Elisa Larkin Nascimento

https://afrocentricidade.files.wordpress.com/2016/04/as-almas-do-povo-negro-w-e-b-du-bois.pdf

afrofuturo

Written by

Conteúdos sobre a construção de um futuro onde pessoas pretas existem tendo África como centro.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade