NFL PLAYOFFS 2016 – NFC

Green Bay Packers (10–6)

QB Aaron Rodgers

Stats da temporada regular

  • Recorde: 10–6 (5º da NFC)
  • 23 pontos por jogo (15º)
  • 3.503 jardas aéreas (26º)
  • 1.850 jardas terrestres (12º)
  • 20,2 pontos cedidos (12º)
  • 43 sacks (7º)
  • Turnover ratio: +5
  • FG: 24/28

Em meio a uma temporada conturbada, o Green Bay Packers conseguiu assegurar uma vaga nos playoffs, atingindo a marca de 7 anos seguidos disputando o mata-mata da NFL. Uma baita de uma montanha-russa. Assim foi a temporada regular para o time de Green Bay. Conseguindo manter sua invencibilidade até a semana 8, quando perdeu para o então também invicto time dos Broncos, os Packers eram bem cotados como uma das melhores equipes da liga e seu QB, Aaron Rodgers, disputando acirradamente o que seria seu segundo título seguido de MVP da temporada regular. Mas então algo deu errado para os Packers. O ataque do time parou de produzir e a defesa não conseguiu carregar a equipe nas costas, e desde a semana 8 o time conseguiu apenas 4 vitórias, deixando assim espaço para os rivais de divisão, Minnesota Vikings, arrancarem o título da NFC North de suas mãos.

Toda essa queda de produção ofensiva da equipe dos Packers não se deve apenas a um setor do ataque, mas sim todos, mas vamos começar pelo jogo aéreo. Após uma temporada excelente e merecedora de título de MVP em 2014, esperava-se que o QB Aaron Rodgers conseguisse manter o nível elevado do ataque aéreo de Green Bay mesmo com a perda de seu principal WR, Jordy Nelson, que se machucou na pré temporada e não pode participar de nenhum jogo. Sem Nelson, a responsabilidade ficou para o segundo WR, Randall Cobb, e para o terceiro, o WR segundo anista Davante Adams, mas nenhum dos dois pareceu aguentar a pressão. Cobb, que chegava de uma incrível temporada de 2014, com 91 recepções para 1287 jardas e 12 TDs, não conseguiu se destacar tanto, mesmo sem a presença de Jordy Nelson, conseguindo apenas 829 jardas e 6 TDs em 79 recepções. Já Adams, jovem que prometia tornar-se um bom jogador, não conseguiu aproveitar as oportunidades que teve. Com muitos drops, falhas de comunicação e até mesmo uma certa falta de vontade, o segundo anista conseguiu 483 jardas e apenas 1 TD em 50 recepções. Assim, a equipe de Green Bay conseguiu apenas 3503 jardas aéreas na temporada (25 da liga), mas com 31 TDs e apenas 8 INTs (3 da liga após Chiefs e Pats, com 7).

E então veio o jogo corrido. Em meio a uma temporada com números abaixo da média e alguns quilos acima, o RB Eddie Lacy é considerado a maior decepção da temporada regular. Pela primeira vez nos 3 anos de carreira, Lacy falhou em chegar à marca de 1000 jardas corridas, totalizando apenas 758 jardas em 187 carregadas para só 3 TDs, além de ter sofrido 4 fumbles. Com a queda de produção de Lacy, sobrou espaço para o RB2 da equipe, James Starks. O veterano de 29 anos conseguiu sua melhor marca na carreira, com 148 carregadas para 601 jardas e 2 TDs, além de 43 recepções para 392 jardas e 3 TDs, mas também sofreu para segurar a bola, sofrendo 5 fumbles. Em resumo, o ataque terrestre dos Packers sofreu na temporada, totalizando 1850 jardas para apenas 8 TDs (21º da liga).

Já na defesa, a temporada foi abaixo do padrão, entretanto, sem nenhum problema grave. O draft de dois DBs no 1º round dos últimos 2 anos deu uma melhora necessária para a secundária. Com a chegada do CB calouro Damarious Randall (3 INTs) e o desenvolvimento do S 2º anista Ha-Ha Clinton Dix (3 sacks, 1 FF e 2 INTs), a secundária passou a ser uma das melhores contra o jogo aéreo, cedendo apenas 3.642 jardas (6ª da liga). Mesmo com essa melhora do corpo de DBs, o forte front 7 continuou sendo a parte forte dessa defesa. Com 43 sacks na temporada (7º da liga), o front 7 liderado pelos OLBs Julius Peppers e Clay Matthews, que tiveram respectivamente 10,5 e 6,5 sacks, e pelo DE Mike Daniels, destaque nessa temporada, (4 sacks) pode ser decisivo nos playoffs contra qualquer linha ofensiva.

No wild card round, os Packers enfretarão os Redskins, no FedEx Field às 19:40. Caso vençam, irão até Arizona enfrentar os Cardinals no dia 16 de Janeiro.

LB Clay Matthews

Texto: Tiago Pelegrineti

Edição: Felipe Borges

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.