Neuroses do cotidiano moderno

Sabe quando você tem um problema? Não é um grande problema, muito menos um problema grande. Não é um problema inédito, muito menos dramático, é somente um problema. E vem sendo repetido constantemente, mesmo você já tendo procurado profissionais do ramo da medicina moderna para saber o que é esse problema.

Talvez o problema seja a soma de vários problemas. Digo, nos deparamos com situações comuns, onde não são necessariamente fáceis. Você mente para si mesmo que num futuro isso vai mudar, mas a verdade que não vai. Sua carreira vai mal, você discute constantemente com sua namorada, não sai com seus amigos pra jogar uma pelada e xingar os amigos que não foram (logo você é o xingado), ou a garota que você queria não deu bola. Achamos que não somos bons o suficiente para diversas situações. Não vamos conseguir pagar a dívida que está pendurada já há 8 meses (nem mesmo você se prostituindo para senhoras de idade) que não vai conseguir falar com a garota e nem conseguir o emprego.

Logo você precisa de um estímulo, uma palavra amiga, um empurrão, mas o que você recebe, em todas as letras é um “vai ficar tudo bem” ou um “se X conseguiu, você consegue”. Ai seu problema se torna mais um problema, porque o estímulo se torna uma obrigação. Seu vizinho passou no vestibular, você também passa, é o que sua mão falará no seu ensino médio. Você agora está preso num dilema, numa responsabilidade de fazer o que a X pessoa conseguiu.

Você quer falar sobre seu problema o tempo todo, com sua namorada, amigo, hamster ou seu gato que não te dá bola. Só que você acha que está sendo ou vai se tornar um chato, repetitivo. Afinal, quando você saía com seus amigos era o Zeca Pagodinho divertido do grupo, ou quando era com sua namorada era o James Dean preenchendo-a com sua diversão e provavelmente chantily. Logo você evitará falar do seu problema, o que no todo não é ruim, porque se sente aliviado em não falar do problema enquanto pensa no problema.

Ai chega o final de semana e você sai por ai passando seu cartão em máquinas da Cielo para esquecer do problema. Não quer mais receber palavras de estímulos ruins, nem ser o chato com sua família, amigos ou grupo. No fim isso se torna um tique nervoso. Contudo, o tique pode ser o problema.


Originally published at faoliveira.me on November 25, 2013.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.