Poucas palavras de muita inspiração

Farah Serra
Jan 20, 2016 · 1 min read

“Carlos Drummond de Andrade, em uma de suas cartas para sua filha, Maria Julieta, a aconselha: ‘Escreva minha filha, escreva. Quando estiver entediada, nostálgica, desocupada, neutra, escreva. Escreva mesmo bobagens, palavras soltas. Experimente fazer versos, artigos, pensamentos soltos. Descreva, como exercício, o degrau da escada do seu edifício (saiu um verso sem querer). Escreva sempre, mesmo para não publicar. E principalmente para não publicar. Não tenha a preocupação de fazer obras primas; que de há muito já perdi, se é que um dia a tive. Mas só e simplesmente escrever, se exprimir, desenvolver um movimento interior que encontre em si próprio sua justificação…’

Trecho do texto “A dor e a beleza da escrita”, de Hilane Tawil, publicado em Obvious.

Foto da porta do Escritório de Cultura de Narbonne, França. Crédito imagem: FA.Serra

Meus cantinhos de devaneios:

Pelos campos de trigo

Observações sobre o belo e o sublime (Obvious)

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store