Lambs to the Slaughter

Essa polícia que está aí, essa “PM,” ataca o protesto, a greve, pois vocês grevistas, trabalhadores, são propriedade. São escravos. O salário, o Estado “democrático e de direito,” é uma máscara, para esconder a realidade: a sociedade é, essencialmente, no tocante ao poder, a mesma há 500 anos, tanto que os “lordes” são, reconhecidamente, as mesmas famílias.

Não. Vocês não são “grevistas,” protestando pacificamente em uma democracia. Vocês são gado, propriedade, Classe Baixa, e vocês não devem nunca saírem dos seus postos de trabalho e se reunirem. A “PM” está ali para quebrá-los, enxotá-los e acabar com essa vergonha, essa insolência de se acharem livres. Na TV, no mecanismo oficial do estado da lavagem cerebral, necessário para assegurar à Classe Média de que não há nada de errado nesse “Show de Truman,” será dito que algum professor “reagiu,” ou que algum “blac block” jogou uma pedra em uma vitrine. Não importa. A decisão do poder foi a decisão que um rei tomaria para “disciplinar” uma insurreição. Acabar com uma perversão da ordem social real, que existe há séculos e continua a existir independentemente de a linguagem para a descrever ter sido lentamente excisada do consciente coletivo.


Escrito de um tirão só, através de um litro de cerveja, em uma mesa de bar, onde o assunto era uma greve de professores — mais uma, neste país onde manter a fachada do show está requerendo cada vez mais criatividade por parte dos palhaços, e os produtores do show estão ficando nervosos…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.