Todos os dias são dias de merda

(Esse texto, escrito em meados de 2008, não fui eu quem escreveu: é de uma fonte que quer permanecer anônima)

Vamos ser sinceros, o problema não é do governo, o sistema ou a ordem neoliberal. O inferno somos nós. Os únicos responsáveis pela fome, miséria, poluição, medo, mentiras, enfim, a merda toda que assola a humanidade. Dos foguetes espaciais às carroças, das massas quatro queijos ao esgoto céu aberto. Chega de transferir a culpa às grandes corporações, à ordem neoliberal, ao vereador ou presidente. Eles são apenas pessoas, como você. Comem e dormem, cagam e andam. Talvez mais burros, talvez menos lúcidos, provavelmente mais poderosos, mas com a mesma capacidade de desentupir o esgoto em que vivemos.

Sim, os jornais nos atolam de mentiras. Uma pilha de papel de pura escrotidão dita imparcial e democrática. Mas o jornal não é ninguém, é apenas uma pilha de papel. A culpa não é do jornal. Este mérito é dos escrotos que estão por trás dele. Você que escreve o horóscopo, a folha de esportes, o editorial, ou você que apenas lê. Você é um merda. O inferno somos nós, afinal, merda não se compra sozinha. A merda é venda casada.

Sim, as grandes corporações poluem nosso planeta. Cagam em nossos rios, vomitam em nossas terras e fodem nosso céu. Sem camisinha, é claro. A porra está por toda parte. Do fundo do mar à camada de ozônio, ou o que restou dela. Mas as corporações não são ninguém. Suas sedes são de concreto, seu logo de neon, estamos todos no ramo da prostituição. A corporação está isenta, o inferno somos nós.

Sim, a justiça é injusta. Cega, manca e burra. Como você deve suspeitar, a justiça é isenta do seu próprio julgamento, este cabe aos merdas dos juízes, merdelegados e desembarcagadores. Também dos adbostados. Você que serve o café também, não pense que é porque não fez curso superior, não pense que você apenas consome merda. Engano seu. Culpado!

Então meu irmão, se você quer parar de comer merda de colheirinha a partir do minuto que levanta a bunda da cama, pare de fazer tanta merda, pare de pensar tanta merda, pare de comprar tanta merda, pare de dizer tanta merda, pare de se comportar como um completo bosta. E principalmente, pare de culpar os outros pela merda que você produz, afinal de contas, você não nasceu sem cu. Está dada a minha mensagem.

Não gostou?

Vá à merda!

Você chegou.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Fabiana Cecin’s story.