Carta #6 | o verdadeiro "detox"

Uma dieta desintoxicante deveria servir para dar um tempo para o nosso corpo, para que ele possa exercer melhor sua função de absorver o que é bom e eliminar o que é ruim. Fazer isso eliminando produtos industrializados e concentrando as energias em refeições nutritivas e balanceadas. Depois de ouvirmos muito sobre o assunto na mídia, relacionamos a palavra “detox” a privação, a sucos mágicos e a uma falsa sensação de que é válido cometer todos os excessos possíveis se na semana seguinte entrarmos em um programa radical para eliminar toxinas. O que parece mais saudável pra você?

Deixar de lado o que intoxica o nosso dia-a-dia faz muito mais sentido para mim. A gente só consegue fazer isso tendo plena consciência de quais são os inimigos do nosso bem estar. Revista nenhuma nas bancas vai saber quais hábitos você precisa ajustar, você é a melhor pessoa para avaliar o que está em excesso na sua vida.

Pra mim pode fazer muito sentido hoje deixar a energia parada ir embora, movimentar o corpo, andar de bicicleta. Quando isso já fizer parte da minha rotina, pode ser que eu queira fazer um “detox digital” e parar de acessar redes sociais pelo celular. Mas para você o excesso pode estar no guarda-roupa, ou nos alimentos industrializados. Você pode estar precisando de mais momentos de prazer também, ou aproveitar suas viagens com mais propósito.

Por termos necessidades tão particulares, a gente precisa desligar nossa cabeça das referências externas com fórmulas prontas, das blogueiras fitness ou das referências das propagandas. A gente é muito especial na nossa individualidade pra precisar se comparar a outras cabeças, outros corpos, outros modelos de vida. Essa geração que habita o nosso universo hoje é baseada na frustração. Pode ficar horas no sofá assistindo reality-shows culinários ao mesmo tempo que reclama da falta de tempo para cozinhar e acaba comendo comida congelada, como aponta de forma sábia o jornalista Michael Pollan.

Não que a gente precise virar máquinas de produtividade, longe disso. Mas é tão mais interessante usar o tempo livre para descansar de verdade nossa cabeça, ou fazer uma atividade. Assim nosso cérebro desacostuma a pedir entretenimento constante, cada dia mais. Algumas atividades como ler, cozinhar ou aprender regularmente podem trazer concentração e mais criatividade pra nossa vida e desfrutamos de fato dos benefícios que trazem.

Se eu fosse deixar uma fórmula pronta pra incluir mais valor na sua vida e liberar espaço para o que tem significado, seria essa: comprometa-se de verdade com seus desejos e objetivos, tenha cuidado com as distrações. Experimente se sentir mais leve sem precisar de 391 litros de suco verde. Depois me conta o que funcionou pra você, combinado?

Se você chegou agora pode ler as cartas passadas nesse endereço aqui. Seja bem-vindo/a/@! ;)

Beijos,

Fê Canna

// Esse texto foi escrito originalmente para a minha newsletter. Para se inscrever, clique aqui.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.