2017 em fotolivros

A Photobook Store e o New York Times abriram a porteira para as listas de “melhores do ano” então está oficialmente aberta a temporada de listas sobre livros de fotografia em 2017. Trago minha contribuição para este controverso campo não com os melhores, mas com os lançamentos que mais me marcaram neste período por um motivo ou outro. Vamos à lista:

Missão Francesa, André Penteado, Editora Madalena.

Esta é a aposta mais segura no grande bolão das listas de final de ano no Brasil. Com certeza o principal lançamento fotográfico do país em 2017. Missão Francesa é o segundo de uma série de cinco livros que serão produzidos por André Penteado e me encantou a capacidade de criar um objeto único dentro de um conjunto de trabalhos, mantendo características marcantes que apareceram no primeiro volume (Cabanagem), mas trazendo uma vida e cara próprias para o segundo livro. Além das fotografias fantásticas, a estrutura do livro é muito bem pensada e o objeto super elegante e bem produzido.

Terra Rara, Isadora Brant, Vibrant.

Pude acompanhar relativamente de perto a criação de Terra Rara no começo deste ano. O projeto da Isadora é uma viagem pessoal e sentimental pelo interior do Brasil. Além de poder acompanhar sua produção também tive a chance de representar a Vibrant em algumas feira e ver a reação das pessoas com o livro. É impressionante como as imagens e a história construída no livro são tocantes. É uma delicadeza difícil de explicar, que aparece no contato com o livro, com o passar de cada página.

Álbum, Mauro Restiffe, Pinacoteca de São Paulo.

A parceria entre Mauro Restiffe e o curador Rodrigo Moura — que ficou anos pesquisando o acervo do fotógrafo para esta mostra e livro — é o que faz este trabalho decolar. A sequência de imagens, marcada por temas e aproximada a uma série de pinturas do acervo do MASP, dá uma dimensão complexa à obra de Restiffe, trazendo novos sentidos à tona para cada imagem. Apesar de menos impactante que a exposição, especialmente pela mudança de escala, o livro ainda é muito marcante, dando conta de traduzir a mostra para suas páginas.

Só Trabalhos e Mais Problemas, Bia Bittencourt, Pingado Prés.

Este é um dos livros mais divertidos — e ao mesmo tempo tristes — deste ano. Bia se dedicou a fotografar todos os ambientes que teve que frequentar para colher todas as autorizações, alvarás e afins para poder realizar a Feira Plana no Pavilhão da Bienal. O livro, lançado na própria feira, é uma coleção de imagens bizarras, kitsch e uma registro preciso da intensa burocracia brasileira, em toda sua glória.

Good Luck With The Future, Dani Pujalte & Rita Puig-Serra Costa, auto-publicado.

A estrutura deste livro é o que mais me encanta. Um caminho entre passado, presente e futuro, construído de uma forma sutil, com pequenas repetições e transformações de imagens que mostram o incrível potencial de uma sequência de imagens bem feita. Um super projeto, que não canso de ver, rever e estudar sempre que posso.

Fenómeno Fotolibro, vários autores, Editorial RM.

Este livro é a coleção de textos publicados dentro da mostra “Fenómeno Fotolibro” realizada no primeiro semestre no CCCB, em Barcelona. São textos incríveis de pensadores e artistas sobre a importância do fotolivro no cenário atual, além de pequenas recuperações históricas de títulos importantes em determinados períodos ou regiões. Tudo isso com a direção de arte impecável de Ramón Péz.

General View, Thomas Albdorf, Skinnerboox.

Este livro é uma viagem. O autor explora o parque de Yosemite, na Califórnia, e seu imaginário através de bricolages, pequenas esculturas, textos e happenings. O que faz tudo isso ser uma grande viagem sobre o poder da fotografia é que ele fez tudo isso sem nunca visitar o parque, apenas com imagens apropriadas da internet e construções em seu estúdio. Este é um livro que fala sobre uma série de possibilidades ainda a serem exploradas pela fotografia, com um resultado visual e narrativo incrível.

On Abortion, Laia Abril, Dewi Lewis.

Primeiro capítulo de uma série sobre misoginia, o livro se concentra sobre a história do aborto e as consequências de sua proibição na vida de uma série de mulheres. É um livro de investigação profundo, de conteúdo denso. Mais do que as fotografias, marca a profundidade da pesquisa e o respeito com que tudo é apresentado. Além disso, o livro mantém a parceria entre Laia e Ramón Péz, um dos grande diretores de arte da atualidade.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.