O amor próprio é uma das chaves

“Primeiro fique sozinho.
Primeiro comece a se divertir sozinho.
Primeiro ame a si mesmo.
Primeiro seja tão autenticamente feliz, que se ninguém vier, não importa; você está cheio, transbordando.
Se ninguém bater à sua porta, está tudo bem.
Você não está em falta.
Você não está esperando por alguém para vir e bater à sua porta.
Você está em casa.
Se alguém vier, bom, belo.
Se ninguém vier, também é bom e belo
Em seguida, você pode passar para um relacionamento.
Agora você se move como um mestre, não como um mendigo.
Agora você se move como um imperador, não como um mendigo.
E a pessoa que viveu em sua solidão será sempre atraído para outra pessoa que também está vivendo sua solidão lindamente, porque o mesmo atrai o mesmo.
Quando dois mestres se encontram — mestres do seu ser, de sua solidão — felicidade não é apenas acrescentada: é multiplicada.
Torna-se uma tremendo fenômeno de celebração.
E eles não exploram um ao outro, eles compartilham.
Eles não utilizam o outro.
Em vez disso, pelo contrário, ambos tornam-se UM e desfrutam da existência que os rodeia.”
(Osho)”

O amor próprio é tão importante para quebrar nossas amarras emocionais e iluminar o nosso caminho para felicidade. Não só esses caminhos, mas para diversos caminhos que bloqueiam nossa mente e acabam por trazer dificuldades para nosso autoconhecimento, autovalorização e diversos tópicos que trarei aqui futuramente dada a importância e o quanto isso me ajudou a ser um humano que cativa tanto esse sentimento e que com ele, consegui não só o amor próprio mas o amor nosso. Sempre pensando no próximo.

-F.A.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.