Anos Rebeldes, Os Dias Eram Assim, política e a influência da Globo

O Brasil de 1992 e o de 2017 são bem parecidos. A influência da TV Globo também. No ano em que correu o processo de impeachment do Collor o canal exibiu em sua grade de programação a minissérie Anos Rebeldes, que abordava um grupo de adolescentes durante o período da ditadura militar no Brasil. Dois meses após a sua estreia o escândalo com o ex-presidente ganharia as páginas dos jornais da época.

Em 2017, o canal voltou com o tema com o seriado Os Dias Eram Assim. Um mês depois da sua estreia o Governo do “Presidente” Michel Temer começa a ruir após uma denúncia em um jornal do grupo de comunicação.

A Globo ajudou Collor a ser presidente e teve papel fundamental em sua saída. A emissora vem repedindo o mesmo papel com Temer. Foi importante em conduzir a opinião pública sobre a queda de Dilma e colaborou com a chegada do então presidente ao Palácio do Planalto.

Não é novidade que a população costuma abraçar ideias de algo que seja mostrado na televisão e, principalmente, em obras ficcionais. Grandes tendências de consumo são ditadas pelas novelas das nove, por exemplo.

O seriado de 1992 é considerado como uma das razões para o movimento dos Caras Pintadas e os pedidos de Diretas Já no Brasil. Temer ainda não caiu, mas o povo já demonstrou insatisfação com seu governo, como ele vem sendo conduzido e já clama por eleições diretas ainda em 2017. Em breve teremos um novo movimento dos caras pintadas? Quem sabe.

No fundo, pode ser só uma grande coincidência. Mas não deixa de ser curioso esse paralelo entre Anos Rebeldes, Os Dias Eram Assim, 92, 2017, Collor, Temer e a Globo.