o cérebro e o reflexo

Observe ao longo do dia como funciona o seu olhar. Verás que os nossos olhos operam majoritariamente automáticos, o cérebro precisa controlar os olhos para constantemente se atualizar quanto a, por exemplo, profundidade dos objetos no nosso entorno, isso tudo ocorre inconscientemente.

Não se sabe ao certo como funciona esse algoritmo biológico, mas há indícios que apontam que o cérebro aprende e aprimora esse algoritmo desde quando a visão se desenvolve, nos primeiros meses de vida. O bebê esbarra aqui e esbarra ali e isso vai gerando memórias para serem utilizadas em medições futuras.

Agora, imagina que para todas as reações automáticas que temos existe uma bagagem de momentos armazenados embasando as decisões do cérebro.

Tome, por exemplo, a fala. Enquanto falamos o nosso cérebro executa um volume gigantesco de decisões que vão definir a expressão do rosto, movimento dos olhos e das mãos, transpiração, tom de voz e assim vai, a lista é gigante.

É isso o que somos, seres inconscientemente guiados.

A sua personalidade é reflexo direto da sua bagagem em memória e mudar a si só ocorre se atribuirmos novos significados as memórias antigas e/ou construir memórias novas e melhoradas. Como um poeta diria, “cultivar bons jardins interiores”.

Aí, se uma pessoa visse a me perguntar: “Como eu faço para mudar essa característica X que eu odeio em mim? Qual a memória que eu devo reprogramar?” eu com certeza responderia: “A memória que te faz acreditar que X é ruim.”.

Like what you read? Give Felipe Lavratti a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.