COMO SE TORNAR UM PROFISSIONAL DE PLANEJAMENTO DIGITAL?

Uma coisa eu posso afirmar, se você ainda não trabalha com planejamento estratégico digital, mas tem a vontade de trabalhar, tome muito cuidado, pois isso vicia!! Vou contar resumidamente a minha história. Entrei na faculdade de publicidade e propaganda em 2001 e como 99,9% dos alunos, queria a área de criação. Escrevia bem, gostava e quis ir para a redação. Lia sobre Washington Olivetto e ele — indiretamente, claro — me influenciou a seguir esse rumo. Em 2003, na época do TCC, acabei indo para uma agência e me colocaram no planejamento, exatamente, a mesma área que eu era responsável no TCC. Pronto, o suficiente para eu me apaixonar pela área.

Então fui estudando, conseguindo vaga em agências, fui buscando meu espaço — e ainda estou — fui planejando, conversando, bebendo de várias fontes. Trabalhei gente muito boa, li autores maravilhosos, assisti muita palestra presencial e no YouTube, conversei com muita gente. E assim fui e vou construindo o meu conhecimento.

E qual a dica que dou para você?

Nada muito diferente do que falei acima, afinal, não tem como eu falar que faço de um jeito e indicar que você faça de outro. A coerência faz parte do raciocínio lógico do planejamento, mas lembre-se não é apenas isso que faz o planejamento. O planejamento é uma ciência muito maior do que apenas ter um raciocínio lógico, ele precisa ir além disso. Vamos a alguns passos para você se tornar um bom profissional de planejamento.

Pratique a humildade

Planejamento que acha que sabe tudo, não sabe na verdade é nada. Seja humilde, sempre. Ouça, converse. Quando for a uma palestra ou curso, entre com a mente aberta, como se você nunca tivesse ouvido uma frase sobre planejamento, faça isso, quando estiver na primeira reunião com o cliente, quando for receber o brief do atendimento, quando ouvir o consumidor da marca com a qual trabalha.

Seja curioso

Não deixe que a primeira resposta lhe satisfaça, aliás, nunca se sinta satisfeito. Vá atrás da informação, busque o conhecimento em tudo. Meu pai sempre diz que eu preciso ler até caixa de sabão em pó. Ler é um hábito que o planejamento tem que ter. Se não gosta de ler, não vá para essa área. Seja um pesquisador nato. Não acredite em tudo o que dizem. As pessoas nem sempre dizem o que querem ou gostam. E o mais importante, o Google não é a sua única fonte de pesquisa.

Pesquise. Pesquise. Pesquise. E claro pesquise!!!

Não fique esperando as respostas. Corra atrás delas. Não fique esperando o brief. Vá atrás dele. As respostas não vão cair no seu colo e elas também não estão no Google. Corra atrás da informação através de pesquisas, análises, estudos. Converse com pessoas, com concorrentes, com força de vendas. Estude o mercado. Leia revistas de negócios, estudos publicados, trabalhos de faculdade, pós, MBas. Ouça o presidente da empresa, a diretoria, a gerencia e até o estagiário. Busque fãs da marca, os apaixonados.

Goste de histórias

Leia. Conte. Ouça. Histórias emocionam, histórias convencem, histórias vendem!! Você pagaria 80 reais para ver um monte de bonequinho amarelo que não fala uma palavra que você entenda na frenética busca por um personagem maldoso para ser seu escravo? Então, muitas pessoas vão aos cinemas Vips de São Paulo, pagar esse valor para ver o filme dos Minions, sucesso mundial. Pessoas compram boas histórias. Foque nisso.

Saiba escrever

Quem lê muito, tem mais chances de escrever mais e melhor. Mais uma vez, repetindo o que ouvi por anos e mais anos do meu pai. E ele está certo. Ele um estudioso, advogado, precisa ler muito e passou isso aos filhos. Passo esse excelente conselho a vocês. Quem sabe escrever, sabe colocar as ideias em ordem. Ideias jogadas não é planejamento, é bagunça.

Ame pessoas

É para elas que você vai vender, certo? As ame! Entenda suas histórias, suas frustrações, seus anseios, seus desejos. Ache a resposta para a simples pergunta: Por que as pessoas compram? Pergunta é simples, a resposta é complicada. Você só vai achar essas respostas quando conversar com as pessoas!

Tenha poder de síntese

Planejamentos com muitos textos e muitas explicações podem ser confusos e não passar a ideia de forma clara. Se a agência não entender a ideia, a campanha não será efetiva, o cliente vai ficar bravo e pode-se perder uma conta, ou a campanha vai para o ar, não traz resultados, e a coisa fica ainda pior. Tenha o poder da síntese.

Não tenha medo de errar

Tente. Inove. Mude. Quebre paradigmas. O planejamento é assim. Precisa ser assim, tem que ser assim. Estimule a conversa. Discute, provoque pensamentos. Faça o cliente pensar, faça consumidor pensar porque ele precisa tanto daquele produto. Precisamos mesmo de um iPad? Mas a Apple diz que sim.

Métricas são suas melhores amigas

Não fuja delas. As tenha ao seu lado. Durma abraçado ao Google Analytics. Veja de minuto em minuto as métricas, mas antes, saiba bem definir as chaves de sucesso, as KPIs. Busque a excelência das ações, seja a pessoa que puxa a agência para otimizar verbas e resultado. Pesquise antes, durante e depois das ações. Entenda os sucessos e fracassos. Não ache que a sua marca é imbatível, pois ninguém é. Há sempre uma criptonita para o Superman.

Tendências são sua chave do sucesso

As use. Entenda. Pesquise. Estude. Analise. Tendências podem dar muito certo ou muito errado. Internet das Coisas é tendência? Tecnologia? Mobile. Entenda o que é tendência e o que já foi tendência e hoje é necessário, ou como ouvi no Top de Planejamento de 2015 “tecnologia não é tendência, é pendência”.

Vá a eventos. Beba todas as fontes

Não para aparecer, mas para aprender. Vá a todos. Ouça várias fontes. Beba delas. Jon Steel é o “papa do planejamento” mas não é o único. Julio Ribeiro, é um dos maiores planejadores que o Brasil tem, mas não é o único. Ken Fujioka já fez coisas brilhantes, mas o Fabiano Coura, Ulisses Zamboni, Rodrigo Gadelha, Jurandir Craveiro, Araken Leão, Mari Zampol, Maurício Moreira, Daniel Tomazio, Andre Foresti, Marcelo Magalhães, Laura Chiavone, Daniel Winter, Ana Cortat, David Laloum, Fernando Diniz, Eduardo Lorenzi, Pedro Cruz, Newton Nagumo, Pedro Porto, Renata D’Ávila, Rodrigo Maroni, Rodrigo Ribeirão, Lucas Reis, Michelle Fernandes, Mario Reys, Ana Maria Nubié entre outros profissionais, que tanto fizeram e fazem a diferença.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Felipe Morais’s story.