“Por que não gritam bicha no tiro de meta?”

Situação 1: “Por que não gritam bicha no tiro de meta?”, perguntou um cara ao meu lado, se dirigindo à sua amiga/namorada.

“Porque aqui a gente é educado”, respondi, me intrometendo na conversa da maneira mais polida que consegui pensar em um milésimo de segundo.

Ele e sua amiga/namorada levantaram e foram sentar em outro lugar. Aparentemente a resposta não foi tão educada quanto eu quis apontar que o resto ao meu redor era.

Situação 2: “ÔÔÔÔÔ bicha!”, berrou um grupo próximo a mim, quando o goleiro do Benfica cobrou um tiro de meta. Benfica, um time português.

“Vocês, além de homofóbicos, são burros, né? Bicha é fila em Portugal”, respondeu um cara sentado naquela região das arquibancadas.

O grupo não mais encheu o peito para mostrar sua homofobia até o fim do jogo.

Situação 3: “Bicha! Vixi, esse é viado. Olha o árbitro, que gay”. Após uma primeira tentativa do grito mais famoso e lamentável do país no momento, e uma resposta nada agradável de alguém sentado perto dele, um homem começou a comentar em voz alta, muito alta, todo toque na bola ou marcação da arbitragem com um comentário homofóbico.

Era um cara negro. E se estivessem gritando “macaco” a cada tiro de meta? Como ele reagiria?

São três situação reais que já presenciei/fiz parte em estádios de futebol. E são três situações que resumem bem a sociedade brasileira no momento. O futebol reflete o país em diversas situações. Na atualidade, na pior possível.

No primeiro caso, fica a intolerância. “Como assim não xingam? Como assim você está me dizendo que estou ofendendo alguém? Como assim você não respeita meu direito ao ódio?”

No segundo, a falta de inteligência. Quer xingar? Ao menos use a malandragem, não homofobia e falta de cultura. Vira alvo fácil de respostas simples e que encerram o assunto.

No terceiro, a falta de visão. É muito necessário, hoje, tentarmos enxergar o mundo com os olhos do próximo. Se eu estou ofendendo alguém, esse alguém pode me ofender. É brincadeira para mim, mas para outro pode não ser. É um trabalho mental simples.

A pergunta do título é uma, mas o texto responde, na minha visão, outra: “Por que gritam bicha no tiro de meta?”.

Porque estão presos na intolerância, na burrice e na falta de visão. E combater isso dá trabalho. E você é taxado de chato. E o que é mais legal? Trabalhar e ser o chato, ou fazer o fácil e ser amigo da galera?