Se ame para ser livre e não dependente!

Foto: pixabay.com

Acredito que todo mundo já ouviu aquela famosa frase:

“Se você não se amar, como poderá amar outra pessoa?”

Uma amiga, sua mãe, sua avó, seu pai, seu colega de trabalho, enfim, muito provavelmente alguém já te deu esse conselho, ou inclusive você o deu a alguém. Considero que se tornou sabedoria popular, todos sabemos — embora nem sempre consigamos praticar — que não se pode dar aquilo que não tem.

Se pararmos para pensar, quando falta amor-próprio, também ficamos incapazes de receber o amor que os outros têm para nos oferecer de forma gratuita. A nossa desvalorização nos faz acreditar que o afeto que recebemos dos outros é caridade, com isso se estabelece uma dependência da pessoa complacente que é capaz de me dar amor mesmo sem eu merecer. A origem do sentimento de dependência nas relações amorosas está na incapacidade de se sentir merecedor(a) do amor.

Quando me sinto indigno do amor tenho que compra-lo, logo faço de tudo para que meu parceiro(a) não me abandone. Me anulo por completo, pois, nessa relação só importará os desejos do outro. Preciso agradá-lo a todo o momento para que não se afaste, afinal se ele(a) me deixar quem vai me querer? Pessoas dependentes emocionalmente não conseguem dizer não, tomar decisões — mesmo que pequenas — sem a opinião do seu par, perdem o interesse pelas amizades e não são capazes de se sentir bem só. Têm a necessidade por demonstrações de afeto que precisam acontecer o tempo inteiro, precisa-se da validação do amor comprado. Quando essas manifestações não acontecem com frequência surge à culpa de ter feito algo errado, de ter perdido o amor do parceiro(a) e o medo de ser abandonado por ele(a).

A falta de amor-próprio é resultado de uma autoestima enfraquecida. Entende-se por autoestima a opinião que temos de nós mesmos, que pela soma de diversos fatores pode se deturpar, diminuindo nosso autovalor e nos fazendo sentir menos atraente, menos inteligente, menos interessante, menos capaz, menos, menos, menos…

Mas aqui vai um ensinamento para levar para vida, compartilhar com os amigos e colocar de legenda nas fotos do Instagram: A GENTE SÓ SE AMA QUANDO SE CONHECE!

A chave para uma boa autoestima e para o amor-próprio é o autoconhecimento. No momento em que nos permitimos tomar uma atitude de reflexão sobre quem somos, nossas virtudes e defeitos, e nos aceitamos com nossas potencialidades e limitações podemos evoluir e nos amar. Quando amamos a nós mesmos, nos colocamos em primeiro lugar, de modo que não preciso de amor comprado, não é necessário me anular para ganhar o amor de ninguém, receberei amor sem me sacrificar por ele, pois, EU MEREÇO SER AMADO!

Ao passo que aceito ser digno do amor que recebo não há a necessidade que ele seja provado o tempo inteiro, até porque, se esse amor acabar, não será o fim do mundo, eu me amo, fico bem sozinho, e assim como esse se foi, outros amores virão.