Entendendo as condições da vida como a conhecemos

Desde o princípio do pensamento racional, procuramos entender o processo da vida, assim como sua origem e as condições que esse fenômeno pode ocorrer. Ainda não encontramos nenhuma prova de algo vivo fora do nosso planeta, isso pode nos levar ao pensamento de que a vida é algo extremamente raro.

Reforçando esse pensamento, trago a ideia de que, se não existisse qualquer um dos 7 planetas, talvez não haveria vida aqui na Terra, pois, a vida necessita de diversas condições para se desenvolver e, caso essas condições sejam minimamente variadas, o processo da vida como a conhecemos é prejudicado.

A habitabilidade é um dos temas mais discutidos entre os astrobiólogos, para um planeta ser considerado habitável, precisa cumprir diversos requisitos, mas, ao mesmo tempo que filtramos as condições que podem abrigar vida, estamos considerando que só conhecemos a forma de vida que se apresenta aqui em nosso planeta, não há provas de que existem ou não formas diferentes de vida.

Caso a vida exista apenas da forma como a conhecemos, o conceito de habitabilidade é compatível com as condições que existem no planeta Terra para a sobrevivências da maioria dos seres vivos daqui. Tendo em vista esse fator, podemos entender que a vida é algo bem raro, que precisa de condições muito singulares para ser encontrada.

Ao mesmo tempo em que a vida é rara, ela é abrangente. Em outras palavras, a vida é algo persistente, seres extremófilos se adaptam aos cenários mais inóspitos e de condições bem desfavoráveis à maioria dos seres vivos daqui da Terra. Por isso, esses seres, como o Tardígrado, são estudados pelos astrobiólogos.

Recentemente foi descoberto que havia um rio em Marte, mas, mesmo que houvesse água, as condições do planeta ainda seriam desfavoráveis. Caso fosse encontrado algum ser vivo em Marte, provavelmente seria considerado como um extremófilo. Além disso, as condições do planeta Terra de hoje são bem diferentes das condições do planeta na época das primeiras formas de vida (3,6 BILHÕES DE ANOS ATRÁS)

Ciente desses fatos, podemos entender que a vida pode ser encontrada até nos ambientes mais hostis e desfavoráveis, mas, talvez o universo não tenha obrigação de ser habitável. Há dois lados da moeda.

Não há motivos para que não haja vida fora da Terra. Por que só aqui?

Talvez o que procuramos esteja mais perto do que imaginamos…

(Fonte Wikimedia Commons)