Movimento do Conhecimento

A criatividade e a inovação caminham conosco desde os primórdios da espécie humana, e de tempos em tempos surgia uma invenção que mudaria mais uma vez o curso da evolução. Os primeiros passos, como o fogo e as ferramentas, abriram um leque de oportunidades para o que viria a seguir.

Em um âmbito global, essas oportunidades seguem um padrão de evolução denominado como Possível Adjacente pelo cientista Stuart Kauffman, para exemplificar as limitações e potencialidades da criatividade e da inovação humana.

Possível Adjacente

Imagine que tudo o que conhecemos está dentro do circulo menor, e todas as possíveis combinações com os materiais disponíveis dentro dele, estão no circulo seguinte. Conforme descobrimos essas combinações e invadimos o próximo circulo, dispomos de novos materiais a serem usados e combinados, cujas combinações nos possibilitam invadir o circulo maior. Esse processo se repete consecutivamente, ao infinito.

Júlio Verne

É preciso lembrar que, por mais que tentemos, não podemos pular nenhuma etapa do Possível Adjacente, ou seja, não podemos invadir o circulo maior sem passar pelo circulo do meio. Mas isso não quer dizer que a inventividade humana já não tenha pulado algumas etapas, pelo menos na imaginação. Algumas ideias ousadas, como as de Júlio Verne e Da Vinci, não eram possíveis em sua época justamente porque pulavam algumas etapas.

Expansão do Possível Adjacente

Ai vem a pergunta: Se o Possível Adjacente, que analisa a criatividade da humanidade como um todo, cresce para todos os lados uniformemente, como seria esse movimento analisando as pessoas individualmente?

Chamei essa teoria de Movimento do Conhecimento.

Movimento do Conhecimento

Temos como ponto de partida o Centro de Interesse. É nele onde se manifesta tudo aquilo que queremos aprender, por mais variado que seja. O circulo intermediário (azul escuro) é o Conhecimento Atual, que representa tudo aquilo que já sabemos, independente de nos interessarmos ou não. E por último (azul claro), assim como no Possível Adjacente, temos o Conhecimento Possível, que simboliza aquilo que pode ser aprendido, levando em consideração que já possuímos a sabedoria mínima necessária para dar o próximo passo naquele sentido.

Por exemplo, para entendermos aerodinâmica precisamos entender de física, e para entender física precisamos entender matemática, e assim por diante. Um conhecimento possibilita o próximo, e assim escalamos dentro do Conhecimento Possível.

Como não podemos aprender e nem nos interessamos por tudo, escolhemos um caminho aonde iremos nos desenvolver, rumo a uma área específica do conhecimento. Podemos nos aprofundar em Medicina, Design, História, Filosofia, Esportes, etc, e assim teremos mais informação sobre determinado assunto do que outro.

Deslocamento do Centro de Interesse

Porém, ao começarmos a nossa escalada pelo Conhecimento Possível, é difícil prever o próximo passo (exceto alguns poucos que sabem qual caminho desejam seguir desde cedo). Ou seja, você começa estudando matemática (como pré-requisito para o próximo passo), só que ao invés de seguir para o lado da física, acaba indo para a contabilidade.

Conforme trilha-se um caminho específico, o seu Centro de Interesse desloca-se naquela direção, o que determinará o crescimento do seu Conhecimento Atual e, consequentemente, as suas possibilidades para futuros aprendizados.

“Você não consegue ligar os pontos olhando pra frente; você só consegue ligá-los olhando pra trás. Então você tem que confiar que os pontos se ligarão algum dia no futuro”. — Steve Jobs

O deslocamento do Centro de Interesse são os tais “pontos” que Steve Jobs citou, em cada etapa da exploração do Conhecimento Possível, cujas conexões só são perceptíveis olhando para trás. Por isso, da mesma forma que o nosso conhecimento expande e flui de acordo com nossos interesses, vivencias e contextos, a nossa criatividade se comporta da mesma forma, pois também está ligada à maneira que interpretamos o mundo ao nosso redor.

O Movimento do Conhecimento de cada um, por mais semelhantes que pareçam, é o que nos torna únicos, pois é a soma de tudo que sabemos, aprendemos e conhecemos. Ninguém possui exatamente os mesmos conhecimentos, mesmo que tenham trilhado o mesmo caminho. As possibilidades são infinitas, basta usar a sua criatividade.