Como eu apresentei um evento sendo tímida?

Fernanda Bernardo
Aug 22, 2018 · 7 min read

Desde criança, sempre fui a menina tímida, que fugia das apresentações de trabalho no colégio, que evitava ao máximo me expor. Nem de conversas em pequenos grupos eu participava, e se participava ficava apenas ouvindo, bem quietinha.

E quem diria que nesse último final de semana, do dia 11 de agosto, apresentei toda a parte da manhã de um evento 😱 que foi o Front in Vale. Imagina isso! Apresentar um evento para 400 pessoas! E foi uma experiência mais que incrível!

Image for post
Image for post

Já é o terceiro ano que vou a esse evento, e a cada ano tenho algo novo a superar. Contanto rapidamente um pouco da minha história com o Front in Vale…

No primeiro ano (2016) eu passei via call4papers para dar uma lightning talk. Uma talk de 10 minutos sobre Jogos com CSS. Foi uma loucura falar em 10 minutos como montar um jogo completo usando CSS, mostrando todo o código usado no processo! Se quiser assistir a talk, veja aqui

O Michel Amaral curtiu e no mesmo dia já me convidou para dar uma palestra no ano seguinte, dessa vez de 50 minutos! Foi meu primeiro convite para palestrar ❤️ até então eu palestrava só porque submetia call4paper. Mas eu não acreditei que ele estava falando sério. Achei que era só um convite informal e quando chegasse o próximo evento nada aconteceria.

Mas isso se provou ser mentira! A cada evento que eu encontrava o Michel, ele confirmava o convite, até que quando começou a chegar próximo ao evento eu comecei a acreditar 😂 Passando a acreditar, veio outro sentimento… O que eu iria falar em 50 minutos? 🤔 O máximo que eu tinha falado eram 25 minutos e eu sempre acabava antes do tempo planejado. Como eu iria conseguir falar durante 50 minutos sobre algo?

Palestrei novamente sobre Jogos com CSS, mas dessa vez fiz um jogo maior e que se relacionava com a temática do evento. Consegui falar durante todo o tempo e passar um conteúdo legal pro pessoal, curti demais! Veja a palestra aqui :) E novamente, ficou o convite do Michel para que eu participasse do próximo ano.

Mas achei que o próximo ano (vulgo esse ano, 2018) seria mais uma palestra, ou algo que eu estivesse mais acostumada a fazer. Até que o Michel veio com a notícia! Me convidando a APRESENTAR o evento 😱, junto com o Eduardo Matos! Óbvio que eu topei na hora! Mas depois, bateu o desespero de como que eu iria fazer para apresentar um evento. Porque eu não teria slides, teria ali que me virar com o tempo que tivesse, que poderia demorar um monte (devido a problemas técnicos) ou que poderia ser mega rápido (caso o evento estivesse atrasado). Como fazer isso?

Desde então comecei a pensar no que faria e a observar os apresentadores de todos os eventos que eu ia (de tecnologia ou não). Tive duas inspirações de como ser foda apresentando um evento. Um deles foi o Erick Krominski na BrazilJS Conf de 2017, ele deu um verdadeiro show de como entreter e divertir as pessoas, mesmo não sabendo muito sobre Javascript (deixo aqui meus parabéns por ele ter aprendido a codar JS no palco em frente a 1500 pessoas ❤️). E minha segunda inspiração foi o Marcio Ballas que apresentou o Hard Work Papai (um dos eventos mais legais que eu já fui), evento do Murilo Gun (um ótimo apresentador também).

Mas bom… minhas duas inspirações eram pessoas super comunicativas e mestres na arte da apresentação e do improviso, enquanto que eu apesar das minhas palestras, nunca tinha apresentado nada. Mas também eu não queria fazer algo comum, de só apresentar os palestrantes e é isso. Queria fazer algo diferente, que conectasse pessoas (o que faz super sentido pra mim com o meu projeto do @help4papers).

Foi aí que comecei a pensar que eu não iria apresentar os palestrantes, apenas chamaria eles ao palco e falaria o tema da palestra deles. Eu decidi fazer isso, pois acho que ninguém melhor para se apresentar do que nós mesmos, além de que, sem querer, podemos falar mais de uma pessoa que conhecemos mais do que de outra que não conhecemos tanto assim. E isso é um tanto quanto inconveniente e chato. Por esse motivo, tomei essa decisão!

Por isso, no dia do evento estava com todas as dinâmicas e brincadeiras que faria com o público em mente! E confesso que estava bem nervosa! E se as pessoas não quisessem fazer o que eu falasse? E se achassem besta demais? E se todo mundo achasse horrível? Isso e muitas outras coisas passavam pela minha cabeça, mas decidi seguir com o que eu acreditava e tinha planejado!

Logo pra começar o evento, me apresentei e pedi para que todos levantassem! E nesse momento todo mundo reclamou 😂 Mas foi nesse momento que eu realmente me conectei com o público e continuei… pedi para que fechassem os olhos e fiz uma mini meditação com eles. E deixei algumas perguntas na mente deles "O que te trouxe até aqui?", "Como você espera sair desse evento?", "Quantas pessoas novas você espera conhecer?". Depois de todo esse momento, que tenho que dizer que foi sensacional ver 400 pessoas concentradas e vendo que todas elas tinham entrado naquele mundo comigo 😍, fomos para a primeira palestra!

No próximo intervalo, voltei, pedindo de novo para todo mundo levantar porque não ia deixar eles sentados quietinhos não! Fizemos uma dinâmica para que o pessoal se apresentasse para outra pessoa. E no final da dinâmica perguntei quem tinha conhecido uma pessoa nova e fiquei pasma quando quase todo mundo daquele teatro levantou a mão. Veja a zona que ficou nesse vídeo que gravei.

Nos próximos intervalos eu precisava sortear coisas, e muito mais legal do que só jogar uma camiseta, estimulei a criatividade das pessoas. Tivemos uma batalha de frases! Eu dava um tema, duas pessoas subiam no palco, falava sua frase / piada / cantada e quem fosse mais aplaudido ganhava a camiseta. Foi bem engraçado, e em uma das últimas batalhas, veio o meu primeiro improviso! Primeiro que foram 3 pessoas ao invés de 2. O tema era "github" e as 3 pessoas receberam um nível bem parecido de aplausos. Eu não podia dar 3 camisetas, então o que eu fiz? Uma nova rodada de tema, totalmente improvisado, vou uma junção de temas falados na platéia e eles tiveram que criar uma frase na hora! Foi bem divertido ver o pessoal improvisando na hora!

Image for post
Image for post

E quando eu achei que já tinha acabado minha participação na apresentação do evento, porque já estavam na rodada de lightning talks e depois disso já viria o almoço… Foi aí que fui surpreendida! Deu um problema com o note de uma das palestrantes e eu não tinha a menor ideia do que fazer. Lembro do Yan Magalhães falando "Improvisa!" e eu só pensando o que poderia fazer para entreter as pessoas enquanto o problema era resolvido. Foi aí que lembrei de algo que já tinha visto e adaptei para o que a gente tinha no evento. Fiz os "30s de fama!" em que qualquer pessoa poderia ir lá na frente e falar sobre o que quisesse em 30 segundos. Poderia falar sobre um projeto, vaga de emprego, filosofar sobre algo… exatamente qualquer coisa! E a grande ideia de fazer isso, era que dava pra fazer isso enquanto estivesse com o problema e na hora que fosse resolvido dava para parar rápido! E o medo de ninguém querer ir lá na frente falar? Fiquei muito feliz quando vi uma fila se formando e as pessoas indo falar sobre seus eventos e seus projetos e convidando os outros a irem participar!

Image for post
Image for post

As pessoas se empolgaram tanto, que rolou até curso gratuito. E isso gerou uma cena muito engraçada que não poderia deixar de comentar… Bem na minha frente (eu estava sentada no palco, igual na foto acima) um menino caiu da cadeira para o corredor!!! Eu não estava acreditando naquela cena, mas me contive em só perguntar se ele estava bem, e acabei contando no microfone que eu tinha acabado de ver alguém caindo da cadeira e que era sério! Acho que ninguém me levou a sério hahaha Mais tarde, na fila do Code in The Dark, vi que o mesmo menino que caiu estava atrás da gente na fila. E não pude conter a minha curiosidade, cheguei nele e perguntei "você foi o moço que caiu?". Ele começou a rir e as pessoas ao meu redor ficaram com cara de interrogação. Aí que fui descobrir que por conta do curso gratuito, o amigo que estava sentado ao lado dele, se empolgou e levantou correndo para conseguir o curso… e acabou levando o amigo junto 😂

Esse foi um evento que eu conheci muita gente nova, me diverti, me senti super a vontade e mais do que isso, superei meus medos! Medo de fazer algo novo, de querer fazer algo diferente do que estou acostumada a ver nos eventos, de ser julgada e de ser criticada.

Mas uma grande lição que fica pra mim, é que se eu tivesse desistido das minhas ideias e tivesse feito o convencional ou até mesmo recusado o convite, eu jamais saberia como teria sido, e jamais teria passado por essa experiência incrível. Então mesmo com medo, com vergonha, com julgamentos, o importante é só ir e levar tudo isso junto. Mas jamais deixar que esses sentimentos me dominem e me impeçam de fazer o que eu acredito!

Essa foi minha participação na apresentação do Front in Vale, uma experiência inesquecível pra mim e que eu nunca me imaginei fazendo. E foi totalmente alinhado com as minhas ideias e propostas que venho trabalhando com o Help4Papers. Melhorar a comunicação das pessoas e criar conexões entre elas, superando os medos e a vergonha de se expor!

Agradecimento especial ao Michel Amaral, que sempre acreditou muito em mim e me deu várias oportunidades 😍

Se você participou do Front in Vale e quiser me dar qualquer tipo de feedback, se sinta a vontade! Eu quero muito saber como me sai 😊

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch

Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore

Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store