Sonho made in Deutschland

O sonho de todo brasileiro é a casa própria. O meu nunca foi. Antes que digam que renego o meu país, vou logo ao ponto. Sou brasileira sim, com muito orgulho (com muito amor!). Aliás, acho que represento muito bem a imagem do meu país fora dele. Apesar disso, meu sonho não é a casa própria, pelo menos, por enquanto. Até porque eu ainda não sei ao certo onde quero morar. Meu sonho mesmo era um computador próprio. Sim, faz uns 10 anos que penso nisso e nunca tive coragem suficiente de ir na loja e dizer "embala pra viagem". Ok, talvez não se tratasse de coragem, mas comprar um computador nunca esteve na minha lista de prioridades.

Pois que estou quase completando um mês de vida nova na Alemanha e eis que o sonho tornou–se realidade. Agora eu tenho um computador próprio. Mais do que isso: Sinto a ponta dos meus dedos sorrirem ao tocar as teclas e poder escrever novamente. Desde que deixei a redação, virei escrava do tecladinho mini-micro do meu celular. Agora já não mais.

Um dos grandes desafios será encarar o teclado alemão. Pois já estou o vencendo, até porque uso o Deutsch Tastatur há quase três anos no celular. Confesso que está sendo um pouco irritante digitar alguns acentos (apesar de que eu acabo de descobrir que não preciso pressionar alt-mais-N para gerar o til, mas escrever esse trecho me levou também a descobrir que eu não sei onde está o símbolo do ''mais''). Aliás, cadê o Delete? Paciência.

No mais, a vida está muito bela, obrigada. Hoje, quando eu estava saindo da loja onde adquiri a minha mais nova relíquia, o vendedor me alertou: "Mas tu vai de bike com o computador na cestinha? É perigoso". Me orientou a retirar o pc da caixa grande e enfiar a menor na mochila. "Assim é mais seguro", disse ele. Não me contive. Abri um sorriso daqueles que alemão não está acostumado a ver e respondi: "Ich komme aus Brasilien" (Eu venho do Brasil, na tradução para português). Ele tentou um sorrisinho de canto de boca, ficou meio sem graça, não me respondeu, mas, eu tenho certeza, entendeu a mensagem.

Pedalei em segurança até em casa (com o computador na mochila, afinal mal não faz tomar cuidado).

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.