Zona de conforto

Fiquei matutando muito sobre o que significaria estar completamente fora da zona de conforto.

Acho que, pra alguém que não é exatamente fã número 1 de surpresas e que gosta de ter as coisas sobre controle, eu talvez desconheça, num aspecto geral, o que é estar confortável. Isso porque não dá pra controlar tudo ao nosso alcance.

Falando em estar fora da zona de conforto.

Deixando a hipérbole do "nunca consigo controlar tudo ao meu redor portanto estar fora da zona de conforto é o dia a dia pra mim" de lado um pouquinho, é claro que eu, designer, me sinto em casa quando tem o Illustrator aberto e minha maior preocupação são conceitos abstratos como composição e forma. Isso é quase que natural pra mim e faz eu me sentir, vamos dizer, acolhida.

Estar completamente rodeada de palavras que uma do lado da outra não fazem o menor sentido, e que pra que essas palavras, que já não fazem sentido, funcionem onde elas estão é preciso implementar uma lógica matemática é o que eu acho que dá pra chamar de um ambiente no qual eu não me sinto nem um pouco tranquila.

Quando nada funciona no Xcode

Não estar tranquila faz parte. Não entender absolutamente nada em alguns momentos faz parte. Faz parte do que a gente chama por aí de aprendizado.

Estar fora de um ambiente familiar é o espaço onde você cresce. E por mais que seja o que eu vivo todo dia agora, não tô falando só do designer-não-sabe-nada-de-programação-dentro-do-bepid. É sair da casa dos pais, é morar em outro país, é praticar um esporte que você não sabe nada a respeito, é aprender uma habilidade qualquer desde o começo.

Perceber o crescimento que vem com tudo isso é fundamental não só pra se tornar um profissional melhor, mas também uma pessoa melhor. A gente não cresce, a gente não muda, a gente não melhora se não avalia como a gente leva a própria vida. E se tá tudo na mesmice, provavelmente tem algo errado.

Ninguém é um oráculo supremo da sabedoria, o próximo Buda, que não pode procurar a mudança em si mesmo.

Eu, particularmente, não morro de amores por programação. Mas não é por isso que eu não vejo porque não aprender. Muito pelo contrário. Estar onde eu estou me faz querer aprender tudo sobre programar pra que eu possa dizer tudo que eu quero dizer sobre o assunto e botar em prática o que eu às vezes posso imaginar que não é passível de ser feito. Então a gente segue.

Sei que provavelmente deu pra perceber, mas esse texto fez eu me sentir fora da zona de conforto.

Like what you read? Give Fernanda Bocchi a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.