Mudei e nem vi (ou vi!?)

Hoje eu percebo que não mudei de um dia pro outro. Não foi que eu acordei um dia e pronto, estava toda mudada. Não, não! Foi bem lento.

Sempre fui de gostar de tudo, mas só que aí o Safadão saiu da playlist do celular, (foi algo tão natural) e começaram a vir os artistas que eu conhecia mas não ouvia, Nina Simone, conheci a Tássia, Liniker, Forfun nunca abandonei.

Outra coisa, meu interesse em lutas, militâncias, feminismo, política, igualdade, empatia… caramba, eu aprendi que sair da bolha é tão bom, conhecer pessoas, ouvir experiências, sentir o frescor de uma briza suave na cara.

Uhnnn… e quando eu deixei de sair para ‘roles’, preferia por tudo um barzinho, uma conversa, menos álcool e mais conteúdo. Só que com isso aconteceu algo que eu não esperava mas soube lidar, os amigos, eles diminuíram, MUITO! No começo até sentia falta, sofria, mas depois entendi, é o ciclo da vida!

Hoje eu gosto de fazer parte de uns 3 grupos no WhatsApp, de ter poucos, pouquíssimos amigos e eu posso me preocupar com eles assim como eles se preocupam comigo. Adoro ter aquela conversa cabeça que no final tem um “quem tem limite é município, aqui nois mete o louco”. São essas pequenas coisas que hoje eu valorizo e quero ter pra minha vida ou que ultrapasse esse ciclo e permaneça nos próximos.

Like what you read? Give Fernanda Bueno a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.