“Eles sempre decidem”, sobre machismo no trabalho

Eles decidem ser amigos. E nós até acreditamos.

Decidimos não engolir mais as piadinhas. E eles decidem que agora nós somos motivo de piada. “As feministas chatas”.

Decidimos tratá-los como amigos, afinal, não somos só colegas de trabalho. E eles decidem que também não somos só amigos. Eles querem algo a mais.

Decidimos dizer “ei, nada vai rolar, somos apenas amigos”. E eles decidem não ouvir.

Decidimos abrir a boca, soltar o verbo, responder a tudo aquilo que nos incomoda. E eles decidem nos chamar de loucas. Porque “não é bem assim” e “vocês estão exagerando”.

Decidimos usar saia, short e havaianas, afinal, trabalhamos numa empresa de “mente aberta, ambiente agradável e gestão horizontal”. E eles decidem que até nosso dedão do pé pode ser sensual.

Decidimos que, se não usamos sutiã na vida, não precisamos dele no trabalho. Decidimos ser livres. Mas eles decidem nos prender ainda mais. Com seus olhares, seu silêncio insinuador e suas piadas sugestivas.

Decidimos avisar o chefe sobre um abuso que aconteceu. E eles decidem que uma denúncia de abuso verbal não vale uma resposta (vale, no máximo, dois risquinhos azuis no WhatsApp).

Decidimos muitas coisas. Mas, no final, quem decide mesmo sempre são eles.

Lute contra o machismo no local de trabalho.