A Fernanda Koatz — de A a Z.

Olá, meu nome é Fernanda, tenho 24 anos, e me formo em Engenharia civil no final deste ano.

Sempre tive muitos sonhos em relação ao futuro e, frequentemente, penso sobre ele e onde quero chegar. Começo procurando no passado o que eu fiz, e é exatamente por onde começaremos esta carta.

Quando acabei o colegial, tinha certeza que queria cursar a USP-POLI. Fiz um ano de cursinho, me esforcei muito e no final não consegui o que eu tanto queria. Naquele momento fiquei muito frustrada, pois sabia que tinha dado o meu melhor possível, até pensei em fazer mais um ano de cursinho, mas resolvi ingressar na faculdade em que tinha entrado, o Instituto Mauá de Tecnologia.

Desde o meu primeiro dia na Mauá, procurei buscar ser melhor do que eu era, justamente para suprir a frustração de não ter entrado onde queria. E o resultado veio, ganhei uma bolsa, por conta das minhas notas, para estudar nos Estados Unidos pelo Ciências Sem Fronteiras. Fiquei muito orgulhosa, por conseguir transformar a frustração em conquista, por meio da bolsa de estudos. Mas, neste período, eu também tive muitos aprendizados, com certeza eu poderia ter levado as coisas não tão a sério, por mais que eu achasse que uma faculdade iria ser a diferença na minha vida eu percebi que a diferença é feita por cada um de nós.

Ao mesmo tempo, esse período me fez aprender muito: não importa onde você está e sim aonde você quer chegar. Além disso, as vezes achamos que uma escolha é certa para nós, no entanto percebemos depois que não era a melhor possível.

Então embarquei para um ano e dois meses de intercâmbio em Denver, Colorado, Estados Unidos. A experiência foi incrível e com certeza um momento de mudança. Ao começar pela língua, pelas expressões, pelas amizades, pelo jeito dos americanos, pelas aulas e pelas paisagens deslumbrantes da cidade de Denver.

Uma imagem vale mais que mil palavras, né?

O que mais me marcou foram momentos em que eu precisei sair totalmente da minha zona de conforto. Os brasileiros têm uma maneira única de interagir e de fazer amizades, e outras culturas não possuem a mesma sintonia.

Assim, tive que realmente sair da minha zona de conforto e interagir de um modo diferente da nossa cultura, comecei a fazer amizades nos treinos de futebol e vi como valeu a pena, pois levo estas amizades até hoje e o modo de interagir também.

Outro momento de orgulho foi também durante o intercâmbio. Após dois semestres de estudos na Universidade do Colorado, os estudantes tinham a possibilidade de estagiar na sua área de formação. Eu achei aquela oportunidade incrível e por conta das minhas notas, um professor me chamou para estagiar na prefeitura de Denver. Aquele momento foi de muito orgulho, pois estava concorrendo com todos da sala e eu, mesmo sendo estrangeira, não desisti e lutei até o final pela minha vaga neste estágio de férias, que foi extremamente importante para eu alcançar outros objetivos e sonhos.

Meus familiares e amigos sempre falam que eu sou determinada, responsável, preocupada com as pessoas, bem-humorada, pró ativa e que estou disposta a ajudar. Acredito que por tudo que contei, minha característica mais marcante seria a determinação, pois não importa a diversidade, continuo tentando até conseguir. E essa característica que me fez continuar com o meu hobby. Gosto muito de jogar futebol, existem períodos em que jogo mais e outros menos por conta do tempo livre. Mas eu gosto bastante de jogar e fazer parte de um time.

Este é o time em que eu joguei por dois anos na faculdade, nós conseguimos o melhor resultado em anos na competição feminina. Nós não éramos o melhor time em relação a qualidade, mas éramos tão unidas que conseguimos vencer as dificuldades juntas.

Por sempre gostar de jogar com um time, o trabalho em equipe me interessa. Costumo diariamente dar o meu melhor em prol de um objetivo comum. Eu sou apaixonada pelo o que faço e quero trabalhar em uma empresa que também seja. Além disso, entendo que é muito importante não parar de inovar nunca.

Mesmo estando em uma posição de conforto, é sempre necessário buscar melhorar. É exatamente isso que busco em uma empresa e que encontrei no programa de trainee da J&J. Busco, em minha carreira muitos desafios, de modo que possa contribuir da melhor forma possível. Além, eu busco trabalhar em uma empresa em que veja propósito, que agregue valor e deixe um legado naquilo em que estou fazendo. Busco uma carreira em que possa assumir riscos e ter uma posição de destaque e liderança, sempre com autonomia e independência de trazer o melhor.

Por conta da minha personalidade, eu espero ser lembrada como uma pessoa bem-humorada, em que via na dificuldade a oportunidade de fazer melhor. Uma pessoa que não tinha medo de desafios e que trouxe soluções inovadoras para a empresa. Uma pessoa que era gentil, mas ao mesmo tempo sabia exatamente onde queria chegar, com foco e determinação. Espero que lembrem de mim como uma pessoa que sempre buscou ajudar os outros tentando extrair o melhor que cada um tem a oferecer.