Cordas vermelhas

Eu tive um sonho no qual relatava em texto detalhado e imagens outras uma dor profunda. Depois de ver o relato em nuvens, pulava da cadeira. As cordas eram vermelhas quase vinho. Bonitas.

Quando não há a quem culpar, não pode-se tirar tão rápido imagens de nuvens. Além do peso de um sorriso vermelho em cordas numa sala colorida. Diriam que foi por amor.

Alguém dizia “execrar”, mas já havia surdez pelas cordas. Contudo, ecoava e ecoava, pois a moça cega é lenta. Até lá, nomes e lama se misturaram para sempre. Melhor deixar como está.


Se você gostou deste texto, leia outros e deixe o seu ❤️. O escritor não é nada sem o leitor.

Like what you read? Give Fernanda La Ruina a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.