Nenhuma de nós é

Essa carta é para você.

Quando nos tornamos adultos, passamos a ter sentimentos de adultos. Acredito que não exista criança triste, por exemplo, que isso é coisa de adulto. Criança é sincera demais com a vida para perceber que tristeza é uma parada real. No máximo elas ficam chateadas. Mas isso é o que acredito, que também não diz muito.

“Todas as crianças são tristes, mas algumas melhoram”. Esse verso é parte de um poema da Margaret Atwood e nossa, como faz sentido. Quando te vejo triste, imagino aquela criança que um dia você foi, embaixo de uma árvore, na sombra, chateada. Ela não sabe o porquê e talvez nem você.

Nenhuma de nós, minha amiga, nenhuma de nós somos tristeza. Porque sentimentos são passageiros: amor, raiva, felicidade, eles vão e voltam; alguns são nuvens, outros tempestades. Mas passam.

Lembra dos seus sonhos? O que houve com eles? Por que foram todos substituídos por uma boneca sem olhos? Por que seu rosto no espelho chora quando todos vão embora?

O que aconteceu?

Nenhuma de nós é só tristeza. Você não é só tristeza; a força que existe em você é tão grande, tão magnífica. Ela só está escondidinha, com medo do que você vai achar dela. O que me impressiona, pois sua força tem medo dela mesma.

Nenhuma de nós é só felicidade. E está tudo bem ser um pouquinho de tudo, na verdade, é assim que faz sermos tão únicos. Um pote de cada coisa nos transforma em nós mesmas. E amiga, como você sabe disso!

Queria que você se visse da maneira que te vejo. E que essa fase vai passar; demora, dói, nos queima, mas passa. E que não importa o quê, estarei do seu lado.

You may write me down in history
With your bitter, twisted lies,
You may trod me in the very dirt
But still, like dust, I’ll rise.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.