Conheça a história de Pedrinho, de 7 anos, morador de Lajeado (RS), diagnosticado com Distrofia Muscular de Duchenne

Uma arte com uma cadeira de rodas. 7 de setembro: Dia Nacional de Conscientização sobre a Distrofia Muscular de Duchenne.
Uma arte com uma cadeira de rodas. 7 de setembro: Dia Nacional de Conscientização sobre a Distrofia Muscular de Duchenne.
7 de setembro: Dia Nacional de Conscientização sobre a Distrofia Muscular de Duchenne. Arte: Júlia Ozorio

O dia 7 de setembro é marcado não apenas pela independência do Brasil, mas também como uma data de conscientização sobre uma doença desconhecida para a maior parte da população: a Distrofia Muscular de Duchenne (DMD). A doença, que é rara e debilitante, paralisa todos os músculos do corpo, incluindo pulmões e coração, até os 20 anos de idade, mas atinge apenas meninos — é o caso de Pedro Henrique Rodrigues Possebon, o Pedrinho, de 7 anos, morador de Lajeado (RS), diagnosticado com DMD em março. …


Uma menina com dores no peito, representando o Dia Mundial do Lúpus
Uma menina com dores no peito, representando o Dia Mundial do Lúpus
Arte e ilustração: Ravena Mallmann

Entenda mais sobre esta doença autoimune e sobre como a falta de hidroxicloroquina pode afetar pessoas que dependem do medicamento

A hidroxicloroquina recentemente entrou em evidência devido à sua utilização em testes como potencial tratamento contra o coronavírus, esgotando rapidamente em farmácias por todo o país. No entanto, o medicamento, conhecido como Reuquinol no Brasil, já é utilizado há décadas no tratamento de outras doenças, como o lúpus. Há cerca de 80 doenças autoimunes conhecidas atualmente, e o lúpus é uma das mais importantes e graves.

Lúpus é uma doença inflamatória autoimune — ou seja, que acomete o sistema imunológico, formando anticorpos contra células do próprio organismo, e não somente contra antígenos externos — na qual os anticorpos de uma pessoa passam a atacar órgãos e tecidos saudáveis. Há dois tipos principais de lúpus: Discoide, que acomete apenas a pele; e Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), que também acomete outros órgãos. A doença pode ter períodos de atividade e de remissão, mas ainda não tem cura e exige tratamento. …


O Brasil produz um total de 78,4 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos por ano. De acordo com o Panorama dos Resíduos Sólidos do Brasil de 2017, 59% desse total vai para aterros sanitários. O restante, que corresponde a 29 milhões de toneladas, é levado para lixões ou aterros controlados. Nesses locais, há trabalhadores envolvidos em diversas etapas do tratamento do lixo.

Em Estrela, a Usina de Tratamento de Lixo do município conta com 38 trabalhadores. Já o aterro sanitário de São Leopoldo, 28. Os mais variados tipos de lixos chegam a esses locais, e os trabalhadores têm de separá-los e efetuar a destinação correta dos materiais, muitas vezes ignorada pela população.

Caminhão de lixo chegando no aterro sanitário.
Caminhão de lixo chegando no aterro sanitário.
Desde novembro de 2011, o município de São Leopoldo possui uma unidade de valorização de resíduos sólidos urbanos. Localizada em uma área de 135 hectares, utiliza 60 para a destinação de resíduos e o restante como área de preservação ambiental. Com uma capacidade total de 5 milhões de toneladas e uma vida útil de 20 anos, o aterro atende à demanda de resíduos gerados na região da Bacia do Rio dos Sinos.

Um cartaz do Sistema Único de Saúde (SUS) na parede de um estabelecimento de saúde.
Um cartaz do Sistema Único de Saúde (SUS) na parede de um estabelecimento de saúde.
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Dados sobre a capital e o interior evidenciam diferenças na qualidade do Sistema Único de Saúde nos municípios gaúchos

Apesar de ser um dos mais modernos serviços públicos de saúde do mundo, de acordo com o Banco Mundial, o Sistema Único de Saúde (SUS) ainda enfrenta muitos problemas e é constantemente criticado pela população. No entanto, será o SUS realmente um serviço de má qualidade?

Atualmente, há uma polarização entre pessoas que consideram o serviço bom e pessoas que o consideram ruim — geralmente moradores de cidades pequenas e grandes, respectivamente. Nesse sentido, seria o atendimento do SUS melhor no interior do que na capital? …


Segundo estudo feito em 2018 pelo canal Sexy Hot, 22 milhões de brasileiros assumem consumir pornografia. Em uma fotorreportagem, duas atrizes, um ator pornô e o dono de uma locadora de filmes adultos contam a realidade de quem trabalha no ramo, bem como suas vivências e opiniões acerca da desigualdade de gênero na indústria pornográfica.

Reportagem: Luísa Santini/Sextante

Fotos: Fernanda Polo e Júlia Ozorio

Image for post
Image for post
A locadora Zil Vídeo é especializada em conteúdos pornográficos e fica localizada na avenida Osvaldo Aranha, em Porto Alegre. Foto: Fernanda Polo

Image for post
Image for post
Pastel de nata, doce português vendido pela Amo-te Lisboa. Foto: Fernanda Polo

Você sabia que é possível encontrar um pedacinho de Portugal em Porto Alegre? A doceria portuguesa Amo-te Lisboa, localizada na Galeria Moinhos de Vento, no Bom Fim, realiza mensalmente o evento Amo-te Fados de Lisboa, com doces típicos e apresentações de fado.

Durante uma noite por mês, a festa reúne apreciadores da cultura portuguesa, que se sentem como se estivessem no país lusitano.

Confira a matéria completa:


Em um ensaio fotojornalístico, a família Polo mostra a rotina de produção na Castelloni, empresa familiar de massas frescas

As empresas familiares podem ser consideradas a espinha dorsal da economia brasileira. Segundo dados do IBGE e do Sebrae, 90% das empresas brasileiras são empreendimentos desse tipo. As empresas familiares geram cerca de 65% do PIB brasileiro e empregam 75% da força de trabalho do país.

A família Polo é responsável pela Castelloni, um desses empreendimentos. A empresa se localiza no município de Estrela (RS) e produz massas frescas. Caren e Polo são os proprietários da Castelloni e trabalham diretamente na produção, aliando o sustento à tradição familiar italiana.

Image for post
Image for post
Caren é a responsável pela produção de massas frescas na Castelloni, empresa familiar de Estrela (RS) da qual é proprietária. Foto: Fernanda Polo

Image for post
Image for post
Ilustração: Beatriz Carvalho/@biando.jpg

A série radiofônica “Quem tem medo da arte?”, produzida pelas alunas de Radiojornalismo II da UFRGS, busca analisar episódios recentes de repressão à liberdade de expressão no meio artístico brasileiro e entender quais são os motivos por trás dessa censura.

No primeiro episódio da série, conversamos com os jornalistas responsáveis pelo Observatório de Censura à Arte e com artistas que tiveram suas obras censuradas em exposições como “Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira” e “O Riso é Risco: Independência em Risco”.

Já no segundo episódio, resgatamos o contexto histórico da censura no Brasil, abordando o Estado Novo de Getúlio Vargas e o golpe civil-militar de 1964, além de buscar uma resposta à pergunta: quem tem medo da arte?

A série pode ser ouvida no Spotify ou pelo player abaixo:


Image for post
Image for post
Arte: Ravena Mallmann

O curta-metragem “Cabeça de Papel” foi produzido em 2018 para a disciplina de Mídias Audiovisuais da Fabico/UFRGS e conta com a direção de Ravena Mallmann e montagem de Fernanda Polo. O filme mostra a aflição de Cláudio enquanto aguarda o resultado do alistamento militar, algo que o aterroriza profundamente.

A produção também foi selecionada para participar da Mostra Alternativa do 18º Festival de Cinema Estudantil de Guaíba, ocorrido em novembro de 2019.

Sinopse: A chegada dos 18 anos é esperada por muitos jovens, mas Cláudio é uma exceção entre eles. Ele só consegue pensar se será ou não chamado para servir ao exército, algo que o aterroriza profundamente. Filho de militar, Cláudio está decidido que não quer viver a mesma vida do seu falecido pai.

Assista ao curta-metragem:


Image for post
Image for post
Foto: Fernanda Polo

Durante 28 anos, um muro dividiu a Alemanha ao meio. O muro de Berlim foi mundialmente conhecido por dividir a República Democrática Alemã (oriental) e a República Federal da Alemanha (ocidental). A barreira física representava, acima de tudo, a cisão entre Alemanha socialista e capitalista e era o reflexo do mundo polarizado da Guerra Fria e pós Segunda Guerra Mundial.

A saída de quase 3 milhões de pessoas da Alemanha oriental e socialista para Berlim Ocidental é o que motivou a construção do muro, que só deixaria de existir em 1989, em um dos eventos históricos contemporâneos mais lembrados. …

About

Fernanda Polo

Gaúcha apaixonada por Portugal, estudante de Jornalismo na UFRGS e viciada no Instagram. Amante da escrita.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store