É tudo culpa do desejo

https://www.ultra-book.com/portfolios

Primeiramente preciso te contar uma informação não muito interessante mas essêncial pra história, que talvez seja a mesma de muitas mulheres pelo mundo: eu tomei pílula anticoncepcional a vida toda, pelo simples fato de ser de praxe para qualquer garota da minha idade, na época com 14 anos.

Foram 15 anos de anticoncepcional. Só esse ano, por vários motivos, dentre eles eu sofro de enxaqueca com aura; mulheres que tem essa condição são 10 vezes mais propensas para ter uma trombose venosa. Nunca entendi como um médico teve coragem de me receitar anticoncepcional, mas isso eu deixo pra outro texto mais acadêmico e permeado das minhas hipocondrias. :)

Então vamos para a história que eu realmente quero te contar; eu parei de tomar os comprimidinhos e de repente, um mundo novo se abriu!

Imagina, não ter hormônios naturais sua vida adulta toda? Não saber o que é ter tesão de verdade (eu digo de verdade messsmo aquele desejo que te imunda por dentro) não saber o que é passar vontade, fazer besteiras por paixão?

Como agora ser uma mulher fervilhando por dentro e não saber lidar com isso? E digo, não é só por sexo. Como diria Freud, desejo é que move a vida.

Mas ele, meus amores, é um bicho livre, que não pede permissão para vir. Antes aquela menina tão racional e muito responsável. Agora queria mais. E não sabia como calar a vontade ou como coexistir com ela. Como uma criança mimada queria satisfazer-lá, mesmo que tivesse que passar por cima do seu orgulho.

Dentre mensagens mandadas de madrugada furtivamente, tudo aquilo que a gente sabe que não deveria fazer. Eu tinha o poder nas minhas mãos, e claro, não fazia ideia como usa-lo. ¯\_(ツ)_/¯

Fui aprendendo da pior forma. E como supostamente eu tinha que me comportar numa sociedade onde a mulher não pode ter atitude, não sente prazer e não tem voz.

E a vida que antes era rotina foi ganhando cores fortes, altos e baixos. Como um animal jovem com sede de vida eu aceitava sair naquele sábado à noite preguiçoso com uma amiga ou fazer aquela viagem louca com alguém que eu só conhecia há uma semana.

Pensava como era mais prático não ser uma mulher desejante?! Era mais correto, eu não me atrasava tanto, não cometia loucuras, sabia controlar muito bem meus sentimentos que não transbordavam a cada promessa de amor.

Mas me perguntem se eu voltaria pra vida de antes? A reposta seria bem categórica. Não, muito obrigada!

Prefiro habitar esse corpo inteiro, que chora, que não sabe controlar os próprios sentimentos, que vive, que vibra com toda a intensidade que minha alma sensível me permite. ❤

Like what you read? Give Fernanda Stambowsky a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.