Podridões (na universidade)

Só para desabafar das injustiças do mundo, já que não posso gritar isso publicamente (por enquanto).

Hoje, por pura coincidencia, fui ver quem roubou meu lugar numa universidade em que concorri uma vaga há um ano. A descrição do posto era para estudos africanos em língua portuguesa. Todas minhas publicações mais a tese condiziam com o posto.

Caramba, quanto descaramento, a mulher escolhida nada fez sobre a Africa, nenhuma publicação e está la no site escrito cultura, civilização, literatura e artes da africa como materias a serem ensinadas e destinadas ao master que ela é responsável.

Ela que passou a entrevista antes de mim, toda nervosa e desajeitada. Falou comigo das gafes que fez, pois não sabia que eu era candidata. E eu, diferente dela, entrei tão confiante e certa de que a vaga me correspondia. Que eu era a pessoa ideal. oh mundo injusto. apodreçam. carnívoros carniceiros agrotoxicos. Me perderam os alunos, que poderiam ter a paixão e a qualidade de meu ensino e pesquisa. Perdeu a universidade.

Ela fez a tese dela nessa universidade, tava nas politicagens de lá. Pouco importava o tema, a vaga já tinha nome.

Esse ano nem fui chamada para a entrevista em outra universidade em que minha formação calha perfeitamente com a vaga. Não me fizeram perder tempo ou semear esperanças. Acho que já tinha nome.

Peço então ao universo que me dê estabilidade, um bom emprego, tranquilidade, felicidade, ao lado do meu amado, numa linda cidade francesa. Desejo do fundo do coração, com a força mais profunda, que eu obtenha o que quero transformar em minha vida. As portas estão abertas. Que venha uma opção que preencha meus desejos. Que venha o sorriso e a paz interior.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.