Você sabe usar o Google?

No meu dia-a-dia muitas pessoas me pedem informações ou dicas porque geralmente eu tenho facilidade de encontrar respostas, ou porque, como elas colocam, sou “muito curioso e ‘sabe tudo’”. Curioso com certeza, mas muito longe de saber tudo.

O meu segredo para saber como as coisas funcionam é ler os manuais delas. Praticamente tudo que compramos vem com um manual ensinando a usar. Não raramente estes manuais são péssimos, e é aí que a curiosidade de fuçar e aprender toma conta. Mas, no geral, pode-se aprender muito lendo os manuais e eles ensinam tanto o básico quanto o avançado, permitindo que você vire um desses “sabe-tudo”.

Voltando às informações, creio que a fonte principal de conhecimento hoje sejam os resultados do Google. O Google em si não te dá muita informação mas permite que o usemos como atalho para chegar lá, e assim como um novo aparelho de som, uma ferramenta de trabalho e outros softwares, o Google tem um jeito ideal de ser utilizado e tem até um manual de instruções.

O Manual de Instruções do Google

Entrando em Google.com, no canto inferior direito há um link chamado “Configurações”. Ao clicar nele uma lista surge e, nesta lista, há o item “Ajuda da Pesquisa”. Clique nele e a página que carrega a seguir contém uma lista de informações mais importantes e, dentro do tópico “Filtrar e refinar seus resultados”, há o link “Como Pesquisar no Google”.

Se isso for uma descoberta em si, você pode parar de ler este texto por aqui e ler todas as dicas para todas as funções do Google lá no site deles. Mas se você ficar por aqui posso resumir o jeito como eu uso o Google para encontrar resultados rapidamente.

Geralmente neste texto exemplificarei as buscas utilizando aspas, mas suas buscas devem ser feitas sem aspas a menos que esteja especificado no texto. Veremos mais à frente como o Google interpreta aspas.

O Google é um software

Antes de mais nada, é importante frisar que o Google não é uma pessoa que entende suas perguntas e aflições e devolve os melhores links para o assunto que você quer saber. Ele é um software — com um certo nível de inteligência artificial, mas ainda um software — que trabalha com termos e palavras-chave.

Portanto, enquanto nós formulamos perguntas seguindo regras gramaticais, o Google formula perguntas com termos que gerarão o maior número de resultados possíveis.

Se eu quiser encontrar a capital de um país, por exemplo, eu perguntaria a uma pessoa assim: “Qual é a capital do Brasil?”. Porém para o Google, as palavras “Qual”, “é” e “do” são interpretados como termos de busca. Imagine quantas buscas terão resultados com estas palavras, sobre diversos assuntos, comparado a quantas terão resultados com as palavras “capital” e “Brasil”.

Como regra geral o Google ignora artigos e preposições nas buscas. Mas se ele achar resultados com esta frase completa, ele os irá mostrar. Portanto, ao buscar uma pergunta, ele não necessariamente te trará uma resposta, mas te trará sites onde você acha esta mesma pergunta (com ou sem a resposta).

Isso inicialmente parece confuso, mas é o jeito que os motores de busca funcionam. Eles tentam achar os termos que você digitou, e não interpretar a sua pergunta e procurar respostas.

Montando buscas

Então a primeira dica é: omita informações que não são absolutamente necessárias para a sua busca. Se você quiser saber “Qual foi o modelo do carro Fusca utilizado pelos alemães na Segunda Guerra Mundial?”, você pode buscar simplesmente por “fusca alemães segunda guerra”, ou ainda “fusca segunda guerra”. Note que o “mundial” é desnecessário pois não há outra “segunda guerra” que não seja a mundial, ou pelo menos não uma tão óbvia quanto.

Mas, e se houvesse? Digamos que em 1971 tivesse ocorrido a “Segunda Guerra Continental” na qual fuscas também foram utilizados. Há dois truques para forçar o Google a incluir palavras-chave em uma busca: O primeiro é o uso de aspas. Buscar por “Segunda Guerra Continental” (exatamente assim, com aspas) lhe trará apenas resultados com esta frase completa, escrita exatamente como você a digitou entre as aspas, e portanto os resultados sobre “Segunda Guerra Mundial” serão omitidos. Isso é chamado de busca literal.

O segundo truque é usar o sinal de soma (+) antes de uma palavra que deve estar nos resultados.

No caso nossa busca seria “Segunda Guerra +Continental” (sem aspas!).

Do mesmo modo, se você quiser excluir uma palavra de uma busca, você pode usar o sinal de subtração (-) antes da palavra, por exemplo “Jogador do Palmeiras -goleiro” (sem aspas), que lhe traria resultados sobre algum jogador do Palmeiras e que não citasse um goleiro nesse resultado.

Não seja pessoal

A grande maioria do conteúdo informativo na internet é escrito para que outras pessoas leiam e portanto raramente estão na primeira pessoa. Buscas como “meu braço está doendo” só vão resultar em descrições pessoais de algum problema, como um blog pessoal ou uma entrevista. Buscar por “dor no braço” te dá maior chance de encontrar resultados pois a descrição é impessoal e seria utilizada por profissionais em uma lista de sintomas, por exemplo.

Do mesmo modo, o Google não sabe muito sobre você e pesquisas como “Supermercado na minha rua” ou “Telefone do meu advogado” não trarão nenhum resultado útil. Mas buscas como “Advogado em Pinheiros, São Paulo” ou “Supermercado na Avenida Paulista” trarão diversas indicações, assim como mapas com fotos desses lugares.

Outras ferramentas

Uma coisa que pouca gente percebe que existe no Google é o painel de ferramentas logo abaixo do campo de busca na página de resultados.

Depois de fazer uma busca, clicando em “Ferramentas” abre-se um painel com diversos tipos de filtros, como data, idioma e país. Com o filtro de data podemos limitar há quanto tempo a notícia ou artigo foi publicado. Com o idioma, podemos filtrar palavras iguais em idiomas diferentes (por exemplo, quero buscar por “Internet” mas apenas em português, nada em inglês ou alemão), e com país filtrar artigos apenas do Brasil deixando os artigos escritos em Portugal de lado.

O mais útil para mim é o de data, pois fica fácil limitar resultados de pesquisas e notícias que são renovadas semestralmente ou anualmente. Então se você quiser saber a lista mais recente dos valores do Fusca, você buscaria por “valores fusca” e selecionaria a opção “Na última semana” no filtro de data.

Como a “última semana” é um valor relativo que o Google interpretará, não podemos colocar ela diretamente na nossa busca, seria interpretado literalmente como as palavras “última” e “semana”. Porém, muitos materiais que são renovados anualmente incluem o ano no título e isso pode ser incluído no texto da busca, como “média salário engenheiro 2014”.

Revisão

Vamos rever tudo que aprendemos?

  • Utilize termos que você quer ver na resposta e evite perguntas (Como, qual, quando, etc.)
  • Esqueça as preposições e artigos; o Google os ignorará automaticamente
Receita bolo chocolate
Início primeira guerra
  • Use aspas quando quiser resultados exatos, literais, como a letra de uma música exatamente como é cantada, ou separar resultados de termos similares
“Porsche 911 prata”
“ As armas e os barões assinalados”
  • Use “+” antes das palavras para garantir que elas estejam nos resultados
Bolo milho +cremoso +fácil
  • Use “-” antes das palavras para garantir que elas não estejam nos resultados
Bolo chocolate -maisena
Bolo cenoura -liquidificador +cobertura
  • Não seja pessoal, pense que qualquer um pode estar procurando a mesma informação que você
Dores nos joelhos
  • O Google não sabe onde você está, então especifique
Melhor padaria Butantã, São Paulo
  • Adicione datas para restringir os resultados ou utilize as Ferramentas
Filmes estréia Setembro 2017
Salário designer gráfico 2015

Agora junte tudo!

Todas estas dicas podem ser usadas ao mesmo tempo para fazer buscas complexas no Google. Vamos buscar casas (ou sobrados) com 2 andares, com piscina obrigatória, para comprar em São Paulo e cujo o anúncio seja de 2016?

Casa sobrado “2 andares” “São Paulo” 2016 +piscina

Espero que as dicas tenham ajudado!