A Subsistência do Ser

Um dia eu já fui um sonhador
Tive a liberdade de amar e ser amado
o instinto de gostar e a magia de me apaixonar
Tive a garra de conquistar o inconquistável
E de não desistir de um amor inacabado
Tive a coragem de ter medo e o medo de não ter coragem
Tive mais de um amor e mais de uma desilusão
Tive dúvidas, tive choro, tive dor e tive amor.

Hoje eu sou um romântico amador em busca de esperança
pondero-me de palavras perfeitas perdidas em minhas lembranças
Hoje eu já não sei mais falar de amor com a mesma facilidade
O que de outrora era de uma sutil naturalidade
hoje tornou-se um abismo de idéias misturado ao vazio de minha subsistência
Transfigurando em mim a sensação de perda ao dom de minha Adolescência
A mesma sensação que sinto ao olhar-me e ver como o tempo modificou-me,
Camuflou a essência das minhas palavras com a inocência dos meus sentimentos.

Tudo o que fui ou tudo que sou pode não ser o mesmo que será
Será eu um sonhador esperançoso cheio de contrários?
Ou apenas uma pessoa a procura de sua felicidade?
Sei que chegarei ao caminho do amor atravessando a ponte da solidão
Por mesmo que não ache a minha princesa em seu castelo encantado
Estarei aqui esperando com o meu belo cavalo alado até o último dia
O dia em que as cortinas irão se fechar para o espetáculo novamente recomeçar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.