Patentes da alma

Pensamentos irradiados
Como ondas de rádio
Que se propagam no vácuo
Determinam nosso estado:
Ativo ou apático

E criam laços:
Fortes com fortes
Fracos com fracos

Fazendo da fantasia prato
Se alimentando as custas do mal pensado
Jogando você cada vez mais pra baixo
Para transmitir angústia pra todo lado

Pensamento errado...
Controle da mente é complicado
Então fazer o que nesse cenário?
Tendo o espírito na tristeza sintonizado
Acordando moído, esgotado

É, acho que tá claro...
Todos dizem, todos sabem,
Sofrimento é aprendizado

O oposto também pode ser praticado
É o que dá à vida algum significado
Pensar bem, pensar o bem que o bem vem
Daria um belo ditado
Mas é difícil pra caraio
Nesse mundo acabado

Por coisas ruins somos bombardeados
Através do paladar e olfato
Visão, audição e tato
Mente fraca só processa o que é errado

Então tem de ser filtrado
Senão cê fica bitolado
Nadando contra a corrente
Como quem anda parado

Chegando a beira de lugar nenhum
O destino mais comum
De uma alma em jejum

Que fraca se arrasta
No preâmbulo do que se alarma
Com suas dores se arma
Para as próximas batalhas
Não são escassas
Pela nossa vida se espalha
Como o fogo que queima a palha

Se você acha que tá preparado, para!
Respire e volte duas casas
Jogue os dados e abra suas asas
Plane sobre brasas
Aterrise em águas rasas

O ser humano carrega suas falhas
Como aves feridas carregam penas ralas
As cicatrizes, as marcas...
São patentes da alma
Que não evitam novas batalhas
Apenas indicam como evitá-las

Facebook.com/oticamarginal