Fisioterapia: o que você precisa saber sobre o curso e a profissão

Você já parou para pensar em como se movimentar é importante para as ações mais comuns do nosso cotidiano? Levantar da cama, pegar um objeto, caminhar para qualquer lugar, praticar um esporte… Tudo isso precisa da nossa “máquina” chamada corpo humano longe de estar enferrujada ou travando! O profissional responsável por tratar e evitar problemas nessa área é o fisioterapeuta!

Xiii… Melhor procurar um fisioterapeuta!

A Fisioterapia é uma ciência da saúde. Seus estudos são focados na prevenção e tratamento dos distúrbios de movimento do corpo humano causados por alterações genéticas, traumas (como acidentes) ou doenças.

Quem está pensando em ingressar na carreira de Fisioterapia precisa de um fator principal em sua personalidade: “gostar de gente”. É o que afirma o Prof. Dr. Cristiano Schiavinato Baldan, coordenador geral dos cursos de Fisioterapia da Universidade Paulista (UNIP): “O fisioterapeuta trabalha em total proximidade com seus pacientes ou clientes. É muito importante gostar de gente!

Pacientes = Amor ❤

O que rola no curso

O curso de Fisioterapia tem, em média, duração de quatro a cinco anos, com presença bem ampla em diversas faculdades por todo o Brasil. As grades curriculares focam em quatro áreas de formação: Ciências Biológicas e da Saúde, Ciências Sociais e Humanas, Conhecimentos Biotecnológicos e Conhecimentos Fisioterapêuticos.

Ou seja, das Ciências Biológicas vem o conhecimento sobre a anatomia humana e o funcionamento do corpo. Das Ciências Humanas e Sociais, o aluno adquire conceitos sobre os relacionamentos sociais e a aspectos psicológicos do ser humano, além das políticas de saúde, educação, trabalho e administração.

Já os Conhecimentos Biotecnológicos são muito importantes para que o aluno conheça as inovações tecnológicas que ajudarão a evoluir a pesquisa e o tratamento dos pacientes nas clínicas. Para completar, os Conhecimentos Fisioterapêuticos trazem as conexões com as áreas específicas de tratamento da medicina clínica e cirúrgica, como a neurologia, pediatria, ortopedia, geriatria, entre outros. As possibilidades são várias!

Parece muita coisa? Calma, jovem! Você terá tempo para aprender tudo isso! ;)

E tem muita gente que entra no curso sem imaginar o tanto de caminhos que a Fisioterapia possibilita. É o exemplo da Flávia Carvalho. Ela está no quarto ano na UNESP de Presidente Prudente (SP) e conta: “o que eu achava que sabia não era nem 10% do que a gente realmente faz! Além do setor de ortopedia e desportiva, tem os setores de pneumologia, ginecologia, estética, neurologia, gerontologia, cardiologia e hospitalar.”

E não para por aí. Tem quem pense que o fisioterapeuta só cuida de quem sofreu um acidente ou já nasceu com alguma deficiência. Yasmin Oliveira é recém-formada no Centro Universitário Tabosa de Almeida (ASCES-UNITA) de Curuaru (PE) e também quebrou esse mito — e outros — ao cursar Fisioterapia, ao perceber “que vai muito mais além de simples exercícios. Ela consegue reestruturar sistemas/órgãos que muitas vezes a maioria das pessoas pensam que não têm mais solução”.

Jamais diga que um fisioterapeuta só faz massagem!

A matéria que a Yasmin mais gostou de fazer foi Fisioterapia Neurofuncional. Ela diz que, no começo do curso, tinha medo só de ouvir falar, mas quando começou a estudar o assunto se apaixonou! “Neuro exige muito e você tem que usar muito a criatividade para poder adaptar a fisioterapia para cada particularidade do paciente”, conta Yasmin.

Quem prefere outra área é a Flávia: Ortopedia. Integrante de um projeto de pesquisa desde o primeiro ano, a aluna conta que, nesta matéria, é possível aprender quais são as “principais doenças musculoesqueléticas e fraturas, e como lidar com as possíveis complicações” e seus diferentes tratamentos! O contato com a clínica vem mais ao final do curso, quando o aluno já conhece bem a teoria e pode se aproximar da realidade prática!

Está se apaixonando pelo curso? O professor Cristiano alerta: um aluno de fisioterapia precisa ser pró-ativo e ter vontade de estudar! Flávia e Yasmin confirmam isso. As duas cursaram Fisioterapia com carga horária integral (aulas durante todo o dia). Portanto, é preciso disposição!

Além das disciplinas, os alunos também devem fazer estágio! Algumas faculdades possuem clínicas próprias para os estudantes poderem iniciar o aprendizado sobre atendimento com a comunidade local, o que facilita bastante. Mas hospitais, clubes desportivos, centros de saúde e de reabilitação e clínicas particulares também podem oferecer vagas.

Esse vai ser o tanto de parabéns que você vai querer e merecer ouvir quando conseguir o primeiro estágio ❤

Fisioterapeutas são felizes pra caramba!

A Revista QB já mostrou uma pesquisa que coloca os fisioterapeutas no TOP 2 de profissionais mais felizes do mercado de trabalho!

E tanta felicidade assim tem explicação: a Fisioterapia é uma profissão que exige dedicação, cuidado e contato constante com o paciente. A fisioterapeuta Lara Salazar se formou em 2013 na UNIP em Assis (SP) e diz que a profissão é realmente muito gratificante.

“Para seguir a carreira de fisioterapeuta, é preciso gostar de ouvir, de cuidar e, principalmente, de se relacionar com pessoas. E procurar entender as necessidades e limitações do outro. É importante, depois de formado na graduação, buscar especializar-se em uma área específica, mantendo-se sempre atualizado”, indica Salazar.

A média salarial de um fisioterapeuta no começo da profissão é de R$1.600 para uma carga de 30 horas semanais, podendo variar entre as regiões do país e áreas de atuação. Confira este vídeo da youtuber e fisioterapeuta Letícia Vieira sobre o assunto:

Viu quantas áreas diferentes? Para o Prof. Cristiano, os alunos se surpreendem com a ampla gama de oportunidades oferecidas pelo mercado de trabalho: “os egressos do curso de Fisioterapia têm sido direcionados para os hospitais, clínicas de reabilitação, unidades básicas de saúde, academias, clubes e empresas”.

E o segredo de tanta felicidade na profissão? Cristiano explica: “a abordagem fisioterapêutica é resolutiva e muda a vida das pessoas. A Fisioterapia renova as esperanças de uma vida plena a muitos pacientes.”

Chegou a hora de encontrar a faculdade perfeita

Agora que você já conheceu o que vai estudar e as áreas de atuação da profissão, é só decidir qual faculdade é a melhor para você.

A Folha de S. Paulo organiza um ranking anual com as melhores faculdades do Brasil. No curso de Fisioterapia, as cinco melhores faculdades são:

1º — Universidade de São Paulo (USP)
2º — Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
3º — Universidade de Brasília (UNB)
4º — Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)
5º — Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Contando somente as faculdades particulares, destacam-se no levantamento:

1º — Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) — (10º lugar geral)
2º — Universidade Paulista (UNIP) — (15º lugar geral)
3º — Universidade Nove de Julho (UNINOVE) — (16º lugar geral)
4º — Universidade de Marília (UNIMAR) — (17º lugar geral)
5º — Centro Universitário São Camilo — (20º lugar geral)

A nota de corte do SISU em 2016 para as cursos públicos de Fisioterapia vai de 809.25, na Universidade Federal do Pará, até 650.5, na Universidade Federal de Goiás. Você também pode simular outros programas, como FIES e Prouni, com a nota do ENEM aqui.

Que tal também procurar no Quero Bolsa as instituições mais próximas da sua casa? Você vai contar com uma vantagem sensacional e surpreendente: bolsas de estudo garantidas até o fim do curso e um valor de mensalidade que cabe no seu bolso!

Veja também:

13 cursos diferentes para você que curte as carreiras na área da saúde

Orientação Vocacional: Como decidir minha profissão?