As impulsividades e suas ressacas

Fernanda Mazza
Nov 5, 2018 · 1 min read

Quem nunca exagerou em nada? Eu tenho esse mal, exagero quase sempre em algo. Já foi bebida, já foi sexo, já foi muita série do netflix, muita reclusão, muita cama, muita depressão, e outras coisas pesadas.

Agora a impulsividade ta na fala e na escrita. Infelizmente não é só um dia, eu tenho uma doencinha psiquiátrica mesmo, diagnosticada. Não acho que tudo que eu fale seja inválido devido às minhas limitações, mas que fico super impulsiva e falante, fico.

E depois de vomitar tudo aquilo por alguns dias (geralmente na TPM), vem a ressaca. Aí podemos observar a destruição que causamos e falamos: vish! Porque não há mais nada a se dizer acho.

Podemos reatar laços, pedir desculpas, nos explicar, etc. Mas nada do que foi dito será desfeito. Quem nos conhece intimamente sabe das nossas intenções e limitações, se dispõe a ouvir… quem não conhece bem e já não gosta… bom, essa pessoa não vai mudar o conceito que tem de você, não é mesmo?

Então de verdade, o que mudou depois disso? Você aprendeu algo? Falou algo que queria ter dito a muito tempo e não tinha coragem? Que bom então. Tem como aprender algo com absolutamente qualquer coisa da vida. Com as merdas geralmente a gente aprende de uma forma mais dolorosa e mais intensa, mas que aquilo fica marcadinho em você, ah fica!

Bora fazer menos pior da próxima vez? Porque perfeita cê não consegue ainda, o que importa é continuar tentando.

Namastrê(ta).

Fernanda Mazza

Written by

Enlouqueci para sobreviver. Me expus para militar pela empatia. Resolvendo as namastretas e em contato com os namastês empáticos e recíprocos.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade