Tenho quase tudo, mas quero mais.

Fernanda Mazza
Nov 15, 2018 · 4 min read

O que acontece com pessoas acumuladoras? E as pessoas que querem sair de suas cidades? Da casa dos pais? Deixar de ter uma condição física específica (deficiência ou transexualidade por exemplo)? Uma revolta com a sociedade / cultura em que vive? Dá pra pensar em mil e uma possibilidades de análise com esse vídeo. Vamos à mais uma detalhadinha com a letra desse desenho infantil?

“Não entendo como um mundo que faz coisas tão maravilhosas possa ser tão mal.”

Ô Ariel, pra mim a falta de equidade nasceu da ganância.

“Tenho aqui uma porção
De coisas lindas nesta coleção
Posso dizer que eu sou
Alguém que tem quase tudo”

Quase? E o que faltaria? Mais coisas? Ou outras ‘coisas’, que não são coisas? rs

“O meu tesouro é tão precioso
Tudo que eu tenho é maravilhoso
Por isso eu posso dizer;
Sim, tenho tudo aqui”

Tudo. O que é tudo?

“Essas coisas estranhas curiosas
Para mim são bonitas demais
Olha essas aqui; preciosas”

Preciosas, lembra algo? Vou dar uma dica:

Se não reconhecer, aguarde o post sobre vícios

“Mas pra mim ainda é pouco
Quero mais”

Mais? Se já tem tudo? Então não tem tudo que quer de verdade, não é mesmo?

E o que faz sentir completude de verdade? Porque ela tem ‘quase’ tudo? E porque ainda é pouco e ela quer mais? Mais coisas? Experiências? Vivência?

“Eu quero estar onde o povo está
Eu quero ver um casal dançando
E caminhando em seus…Como eles chamam?
Ah! Pés”

Fazer parte de algo maior, sem ser considerada uma aberração? Ser igual a todos os seres humanos? A ideia de equidade: é pedir demais ser tratada como igual, mesmo tendo umas diferencinhas? Físicas, psicológicas, culturais.

“As barbatanas não ajudam não
Pernas são feitas pra andar, dançar e passear pela…
Como eles chamam? Rua

Poder andar, poder correr
Ver todo dia o sol nascer
Eu quero ver, eu quero ser
Ser desse mundo”

Poderíamos pensar em tantas pessoas diferentes, com deficiências físicas, obesidade e outras ‘limitações’ para se locomover e fazer todas as atividades comuns por não pensarem muito em minorias e em questões de acessibilidade.

Ou poderíamos pensar nas barbatanas como algo entre as pernas de uma pessoa trans antes da cirurgia? É, começar a viver pra uma pessoa trans é ser aceita socialmente no gênero com o qual se identifica. Às vezes isso significa um documento, uma expressão de gênero, uma passabilidade cis com hormonização, às vezes uma cirurgia para não ter mais ‘barbatanas’. Né?

O que eu daria pela magia de ser humana”

Qualquer coisa? A tendência de cometer erros e se precipitar dando qualquer coisa em troca de um sonho, é gigante.

Cuidado com as coisas que lhe tentam absurdamente a ponto de abdicar de coisas realmente importantes sobre você… que não são coisas. rs. Pare antes de aceitar oportunidades no impulso, sem saber das entrelinhas e dos asteriscos nos contratos. Pense nos prós e contras, pese na balança. Se dê um tempo para pensar a respeito. Valorize o que é importante pra você, tente ponderar.

Percebam que é uma paixão e portanto uma visão ilusória e que só vê o lado bonito. Acha que vai ser as mil maravilhas ser humana (ou ficar com uma pessoa X, que é o ‘príncipe encantado’, ou começar a frequentar um círculo social X).

Tem algumas coisas muito mágicas na vida mesmo, não só humana. Humana é mais complexa e complicada em alguns quesitos. rs

Eu pagaria por um só dia poder viver”

Um só dia poder viver? Você não vive o aqui e o agora? Que triste esse pensamento que só quando conseguirmos chegar ao nível X, seja no contexto que for, poderemos realmente começar a viver. Cês tão mortos nesse momento? Como que cês tão lendo essa coisa então? Bora viver a vida.

“Com aquela gente ir conviver
E ficar fora destas águas

Eu desejo, eu almejo este prazer
Eu quero saber o que sabem lá
Fazer perguntas e ouvir respostas
O que é o fogo? O que é queimar?
Lá eu vou ver”

Sede de conhecimento, de saber como é o mundinho do outro e se interessar em contar do próprio, sem desconfianças. Mas… cê realmente precisa se queimar pra acreditar que machuca? Ou precisa ter provas concretas de tudo que é informação? Pela pesquisa isso seria excelente né?

Você não consegue confiar em ninguém cegamente? Auto preservação x experiências passadas e de observação.

Auto preservação, insegurança e desconfiança: eu confio só em mim e mais ninguém OU ‘não confio nem em mim mesma, COMO confiaria em outra pessoa?’

Experiências passadas: você já viveu uma situação semelhante e palavras e atitudes não foram condizentes, você pensa que ‘se deu mal’. Mas a pessoa quando engana… ta machucando mais a quem? Você? Ou ela mesma?

Experiências de observação: palavras x atitudes, condizem ou não? Aí você sabe se é uma pessoa que se pode confiar até aqui ou não.

Não que as pessoas nunca errem, mas pedir desculpas e continuar cometendo o mesmo erro não vale de nada, não é mesmo?

“Quero saber, quero morar
Naquele mundo cheio de ar
Quero viver, não quero ser
Mais deste mar”

E aí? Onde é seu mundo cheio de ar: um mundo no qual você não se sente sufocada? E o que te sufoca no seu mundo?

Resolve as namastreta, migs. E se planeje pra mudar de fato.

Fernanda Mazza

Written by

Enlouqueci para sobreviver. Me expus para militar pela empatia. Resolvendo as namastretas e em contato com os namastês empáticos e recíprocos.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade