Do fundo do mar, deitada na areia afogada, eu vejo estrelas reluzentes no céu e faço do meu caos um cais.
bordo o abismo com as minhas tintas de esperança,
piso na superfície solar com trajes especiais,
me visto com o que é melhor de mim: confiança.
acordo de um sonho e durmo, faço do meu passado poeira 
e deixo que o futuro se desenhe sozinho.
eu não gosto do estrago e nunca gostei. eu gosto dos restos que junto
e faço um só, uno, plausível. 
o meu coração é um deserto em pleno oceano. 
dos meus questionamentos faço respostas
e espero que o acaso seja gentil.
dos girassóis amarelos, provo a lavanda que cheira a saudade,
das memórias que escondo no âmago e só ouso em relembrá-las
quando sei que não irão mais me afetar.
o desalento me alfineta nos dias que uso a navalha para cortar a consciência com erros. erros maquiados de arrependimento.
cada amor é uma possibilidade de despedida,
por isso faço de toda experiência um ápice de intensidade.
se vivo como se hoje fosse tudo o que há para mim, 
não é por insanidade juvenil, é para fazer de cada segundo uma história.
ponho meus planos em um liquidificador e espero que a sorte me separe o melhor destino. 
ainda não sei ser alguém estável, mas se eu fosse, não seria eu.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.