Brave new…. blog?

A cada fase nova da minha vida eu digo: vou escrever um blog e compartilhar minha história com todo mundo. Passam-se 3 dias e eu desisto. Acho tudo fútil, me acho desinteressante, fico pensando que vai dar um baita trabalho e arquivo o projeto como Um dia/Talvez

E como não podia ser diferente, agora grávida do primeiro filho, uma mudança e tanto na vida de qualquer um, a ideia voltou… Um blog… Um blog! A ideia já perdura pelos 3 meses que estou ciente que espero um outro ser-humano (estou de 24 semanas de gestação, quase 6 meses!), então resolvi dar o primeiro passo: escrever. Ufa.

Para fortalecer a decisão, vou listar aqui os motivos que me fizeram persistir nesta ideia. Voilà:

  • O Medium: ferramenta que facilita a vida de quem quer escrever. Coisa linda de Deus de fácil, de rápida, de brainless. Poucos estilos, texto espaçado, posso dar copiar e colar em imagens…Enfim ❤
  • A situação: a responsabilidade de criar um outro ser humano para ser feliz neste mundo é muito alta. Isso mudou muita coisa na minha cabeça, mudou minha forma de pensar, meu grau de tolerância para com os demais seres humanos e situações. Isso tudo merece/precisa/deve ser compartilhado, certamente, no mínimo para eu ver que existem pessoas iguais a mim e eu não sou a diferentona (:P)
  • A mulher: a situação em 2016 da mulher é meio chata, saca? A gente trabalha que nem todo mundo, ganha o salário, chega em casa e faz as tarefas domésticas, tem filhos e…. ainda o problema é mais nosso que dos caras. Faz um exercício e tente lembrar-se: quantos casais separados que você conhece ou convive os pais (machos reprodutores) possuem exatamente as mesmas responsabilidades e compromissos com horários e disciplina e responsabilidades com o dia a dia dos rebentos que as respectivas mães? E se você pensar nos casais com filhos que estão juntos , a situação melhora? Estamos numa luta pela igualdade em pleno 2016, e dar o poder as mulheres é fundamental. Comecemos expondo o problema, então.
  • Não estamos sozinhas: achei o máximo esse meme que invadiu 2016 com tudo, da Diferentona. Cara, não estamos sozinhos em nenhum pensamento. Somos 7 bilhões de pessoas, não é possível que alguém não faz como eu, não se sente como eu. Tô aqui para ajudar e ser ajudada a você não se sentir a Pioneira das galáxias (e a mais solitária também).

Bora nessa comigo?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.