Por que não produzimos mais Ronaldinhos? Ou por trás dos highlights e a importância do feedback pra se tornar melhor.

Todos os dias milhares de crianças jogam bola pelas ruas. Correm o dia todo e só param quando suas mães gritam para elas irem pra casa pra comer. Se tem tanta gente praticando e treinando porque não aparecem mais Ronaldinhos, por aí?

Por trás dos Highlights

Hoje li esse lindo texto do Ronaldinho. É uma carta pra ele mesmo quando criança em Porto Alegre.

Quando vemos um texto desses a gente presta muita atenção nos highlights. O momento em que ele é chamado pra jogar futebol no grêmio, depois pra jogar na sub 17, seleção brasileira, PSG, Barcelona, etc. Mas aí no meio desse texto, por trás de todos esses highlights dá pra perceber o quanto esse cara treinou a vida toda. Desde criança jogava bola incessantemente e sempre com bons mentores.

Ronaldinho gaúcho e seu irmão Roberto

Pessoas falam sobre talento, dom ou predestinação, mas isso é superestimado. Alguém pode ter geneticamente mais facilidade para alguma coisa, sim, isso é um fato, vide Michael Phelps porém pra se tornar o melhor é só com muito treino e feedback o tempo todo.

A construção da carreira dessas pessoas de sucesso é diária. É como num filme sobre empreendedorismo, o cara tem uma ideia, forma uma equipe e eles começam a trabalhar juntos. Depois sempre vem aquela cena em fast motion, que mostra dias e noites passando enquanto eles rabiscam a lousa, mexem no computador, etc ¹… E essa é a parte importante da trajetória, todo esse trabalho feito. Isso não é glamouroso o bastante pra entrar no filme, mas é isso que proporciona o sucesso: trabalho ou treino

Image result for fast working

Por que não produzimos mais Ronaldinhos?

Se a prática / treino são tão importantes para garantir o sucesso, então porque não são todos os meninos que jogam bola o dia todo pelas ruas do Brasil que se tornam Ronaldinhos?

Image result for ronaldinho tricks

Feedback: Uma breve história sobre MecFlu

Em 2007, no segundo ano de engenharia da Poli, eu cursei uma das matérias mais difíceis que fiz: Mecânica dos Fluidos. Muitos alunos já tinha me alertado que essa matéria era um terror. Que era tricky, que se não se dedicasse bastante não teria como passar.

Eu já não vinha de um semestre muito bom e resolvi estudar MecFlu (como chamávamos). Sempre fui do tipo autodidata e se o professor não for ultra didático tendo a acreditar que aprendo melhor com o livro do que na aula. Então peguei um dos livros recomendados, e li os capítulos relacionados à P1 (primeira prova), montei meu resumo, achei que tinha entendido e fiz todos os exercícios.

No dia da P1, tínhamos 1h40 pra resolver 4 exercícios. Resolvi todos e no final fui conversar com meus amigos…todos chorando as pitangas que tinham ido muito mal e eu não… falei pra eles que achava que tinha tirado um dez, que consegui resolver tudo sem muita dificuldade. Semanas depois saiu o resultado…meus amigos tinham ido mal como esperavam… notas: 3 ….. 2.5 …. 1 e eu tirei um grande e redondo ZERO.

Image result for school test

A importância do feedback pra se tornar melhor

Como eu tirei esse zero tendo estudado e fazendo os exercícios? O livro não tinha respostas. Fiz os exercícios e considerei que os resultados estavam certos, logo não tive o feedback necessário pra ver o que eu precisava melhorar. O único feedback que tive foi o da prova. Já era tarde demais.

É esse o motivo pelo qual não produzimos mais Ronaldinhos. Não adianta você só passar o dia jogando futebol, você precisa ter o feedback se o que você está fazendo está certo. Também para aprender os atalhos e os pontos onde você pode melhorar.

Tem um episódio do Freakonomics Radio ótimo sobre isso, chama-se How to become Great at Just About Anything (tradução livre: Como se tornar FODA em praticamente tudo). Nesse episódio eles debatem as ideias do Malcolm Gladwell, autor de Outliers, (Aquele da regra das 10 mil horas) com os estudos do psicólogo Anders Ericsson, sobre como as pessoas adquirem expertise.

Um das coisas que mais me chamou a atenção foi o que hoje para você se classificar para a Maratona de Boston você precisa correr o equivalente ao de atletas das primeiras Olimpíadas. Em todas as olimpíadas quebramos recordes e em todos os campos parece que alcançamos mais em menos tempo. As pessoas aprendem mais, mais rapidamente e os humanos do futuro poderão ser mais rápidos que Bolt ou Phelps.

E os celeiro de Talentos?

Sabe aquela ideia de que muitos talentos vem do mesmo lugar?

  • O Barcelona é um celeiro de craques
  • O Vale do Silício é um celeiro de startups
  • A China é um celeiro de jogadores de ping-pong
  • e por aí vai…

Não é mágica. Cada um desses lugares tem um monte de pessoas (doravante mentores) com expertise pra que os ingressantes consigam apreender os truques para se tornarem melhores mais rapidamente e também possuem os recursos pra que as pessoas se desenvolvam.

Você pode aprender muita coisa sozinho, mas o feedback é super importante. Uma coisa boa de aprender programação é que no começo você pode evoluir muito rápido sozinho, afinal você escreve o software e na hora sabe se ele funcionou ou não. Rapidamente você vai aprendendo o que funciona e o que não funciona.

Claro que uma hora você vai precisar aprender formas mais fáceis e rápidas de programar. Trabalhando com outras pessoas você vai evoluir muito mais rápido. Por isso que em equipes que usam Code Review os programadores menos experientes evoluem melhor. Mesma coisa para quem contribui em projetos open source. Não necessariamente o mentor é um mentor de fato, mas alguém ou ferramenta que te mostre onde você errou e qual o melhor jeito de se fazer o certo.

mentor do he-man

Na história de hoje você aprendeu porque apesar de um monte de gente jogar bola todo dia nem todas viram o Ronaldinho (não pude evitar!!!)

¹ Essa referência não é minha, li uma vez em algum lugar que não consegui encontrar…não sei se foi em um livro, talvez tenha sido no Lean Startup, já que cito em todos os meus posts, huahuahua


Originally published at Fernando Alves.