As serpentes da Medusa

Opinião, 01/10/2015

Marco Aurelio Ruediger

Chegou-se a um momento, após a estabilização econômica e as políticas de inclusão, que os brasileiros poderíamos vislumbrar finalmente nosso espaço entre as nações que constituíram um patrimônio cultural fundado em um desenvolvimento responsável. Tratava-se de uma caminhada de uns 20 anos de erros e acertos, mas com uma síntese que parecia positiva. Claro que, a partir daí, várias perspectivas estariam abertas. Seja na inserção crescente na área externa, seja no desenvolvimento interno. Infelizmente, há um ano, nos estertores do processo eleitoral, olhamos para uma Medusa e nos horrorizamos com o que vimos: duas de suas serpentes — o horror da economia em sua real extensão e o desmanche de utopias de forma vil a nos petrificar.

Leia mais

Deixe um Comentário

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.