Inteligência emocional de um abacate

Já leu um texto sobre inteligência, emoções e abacates hoje? Não? Estamos aqui para isso.

Acordei hoje com vontade de escrever, escrever sobre qualquer coisa. O que importa é encher a tela branca que eu tenho na minha frente, mas já que acordei com esse desejo tão grande de pôr letrinhas enfileiradas para alguma pessoa tentar entender o que elas significam, vou escrever sobre algo importante. Inteligência emocional.

Vou falar sobre inteligência emocional e o porquê de ela estar tão em falta nas pessoas hoje em dia. Sério, quando você começa a estudar e entender algumas coisas sobre habilidades sociais, criatividade e comunicação (estou longe de saber muito sobre isso, adianto logo) você começa a perceber que até mesmo pessoas com doutorado e Pós-doutorado têm a inteligência emocional de um abacate.

Inteligência emocional (IE), o que é isso certo? Não é simplesmente você saber o que está sentindo ou ser muito emotivo com pessoas, longe disso. IE é quando você começa a perceber, controlar, avaliar e expressar suas emoções no convívio social, porque não estamos sozinhos no planeta e nossas ações têm influencia na vida de outras pessoas sim. Mas perceber, controlar, avaliar e expressar suas emoções, isso é fácil?

Cara é bem mais difícil e complexo do que você imagina. Vou citar as três categorias (separadas pelo autor mitológico Daniel Goleman) de inteligência emocional e explicar um pouquinho cada uma.

Autoconhecimento

A primeira é o autoconhecimento que é, basicamente, reconhecer todas as emoções que existem dentro de você e como essas emoções são passadas para outras pessoas. Como reconhecer isso? Você precisa realmente tirar um tempo e se dedicar para isso, muitas pessoas pagam para ir a eventos onde um profissional guia suas ações durante um final de semana que pode ajuda-las nessa caminhada do autoconhecimento.

É preciso muita coragem para tentar conhecer você mesmo, porque você terá de ser, acima de tudo, honesto consigo mesmo e tirar um tempo para refletir sobre suas ações e emoções. Outra coisa que você pode fazer é contar com pessoas próximas de você, seja família, amigos ou namorada(o), e explorar a opinião dessas pessoas sobre como elas enxergam você.

Você pode acabar descobrindo que aparenta ser uma pessoa muito negativa ou que nunca consegue acabar uma coisa que você começa… Enfim, você vai precisar perceber seus defeitos para trabalhar em cima deles.

Controle Emocional

Controle emocional é você aprender a não suprimir suas emoções (atitude que apenas nos machuca e nos frustra como seres humanos) e direciona-las para as situações ou pessoas corretas de maneira correta. Como assim?

Todo mundo ficar com raiva certo? É um sentimento comum e não deve ser ignorado nem suprimido, mas calma… Você precisa ter controle dessa raiva, você precisa aprender a ficar com raiva da pessoa certa, na medida certa, pelos motivos certos, na hora certa e de maneira certa. Isso senhoras e senhores, é controle emocional.

Empatia

A empatia é a habilidade de identificar os sentimentos das outras pessoas e perceber como as suas ações e emoções podem influenciar na vida dessas outras pessoas. Você precisar buscar primeiro entender e depois se preocupar em ser entendido.

É uma coisa tão simples e óbvia que a maioria das pessoas simplesmente esquece que eles estão se expressando, estão se comunicando, estão interagindo com outras pessoas e que você precisa aprender quem é essa pessoa para que você consiga estabelecer uma conexão com ela.

E é nisso que muitas pessoas que têm a inteligência emocional de um abacate falham, em conseguir perceber e controlar que sentem algo e que isso (que nossos queridos abacates) sentem influencia diretamente na vida de pessoas próximas (ou não) a elas.

Enfim…

Vamos começar a perceber, controlar, avaliar e expressar nossas emoções.

O mundo já tem muitos abacates para aprendermos a lidar.