Dá pra ser mais claro?

Sabe quando você tá quase perto, e ao mesmo tempo distante de algo que pode mudar sua vida? Daquela conversa que te leva pra outro universo?

Atualização 18 de Dezembro: Esse texto não faz mais sentido, acabei entrando em outra desilusão 😓

Você sente que é uma pessoa incompleta, problemática, sem propósito. Aí você esbarra em alguém que é tudo a ver com você. Sabe, a pecinha que tava faltando?! Chega a ser previsível.

No começo, acredito que seria meio psicótica uma abordagem direta. Então, pra tudo que a gente precisa, a gente tem que criar o contexto. Tentei. Falhei. Ok, bola pra frente.

Um ano passa, e eu falei algo tão simples que pode ser resumido em: “oi, desculpa, as coisas ficaram estranhas lá atrás, minha vida deu umas voltas mas eu to aqui de novo. acho que a gente devia conversar mais”. Tudo foi reencaminhado tranquilamente, nos demos bem. E a última mensagem que recebi foi “preciso dormir agora, amanhã falo oi mais cedo”.

Eu adorei essa mensagem, disse que adorei a iniciativa, fui muito claro: very much appreciated! Mas, até agora, ainda estamos distantes, e acredito que esgotei minhas oportunidades de approaching viáveis.

Compreendo que cada pessoa funciona num ritmo diferente, mas não sei mais o que estou fazendo. Aprendi a odiar a mentira, e comecei a ser honesto sobre as coisas que sinto, na medida do socialmente aceitável — o que ainda é muito estranho: a honestidade em si já é algo alienígena.

A certeza que eu tenho é: eu preciso ser salvo. E uma meia-certeza de que você pode me ajudar. Eu não quero casar, namorar. Só acho que seria muito bom ter você por perto.

Foto por Naveen Kadam | CC BY
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.