Ao criador de Cambará do Sul

Cambará do Sul/RS (07/2016)

Daqui de cima, parece que a dor silencia,
 que o silêncio questiona,
 que as perguntas transbordam,
 e que as lágrimas não bastam.

Parece que a alma grita,
 que as lutas não existem,
 que o poder não separa,
 e que a divisão se desfaz.

Parece que o vento fala,
 que as nuvens sussurram,
 que o mato canta, 
 e que as pedras acomodam.

Parece que o exaltado se abate,
 que o humilde se encoraja,
 que as dúvidas desaparecem,
 e as certezas se encontram.

Parece que a simplicidade vence,
 que amor sobrepuja,
 e que o riso é mais leve.

Parece que o passado se vai,
 o presente se eterniza,
 e o Senhor se revela.

Dizem que o Senhor mora no céu,
 e, hoje, eu entendi o por quê.