+18

FRIC.ÇÃO — s.f
atrito; esfregação que se faz sobre uma parte do corpo.

pela manhã minha boca insistia em relembrar teus beijos, minhas mãos procuravam seu corpo e minha pele clamava pelo teu calor.
quando você finalmente estava na minha frente, suei frio, tremi de dentro pra fora e como selvagem meti minha boca na sua.
língua na língua, boca na boca, mãos pelo corpo e o corpo em alta temperatura. me sentia dentro dum vulcão com a roupa mais quente da existência humana.
suas mãos tocavam meu corpo e a pele se desprendia e se rasgava, derreti ali com cada toque. 
tua pele roçava na minha, como uma dança sincronizada.
meus lábios frios desciam pelo seu corpo. a língua ligeira, amena, molhava e arrepiava seus pelos e ali, no meio, meu rosto encaixou e ficou.
tuas mãos bagunçavam meus cabelos; os dedos entrelaçados nos fios curtos e curvos. 
a fricção da minha língua na pele sensível do meio quente do teu corpo te fazia suspirar, e sem ar empurrava minha cabeça para mais e mais e mais.
me afoguei, no teu gozo preso na minha boca, no êxtase do orgasmo recém atingido e mergulhei em ti, como profissional, sem medo do fundo.
nadei com golfinhos, conversei com sereias e no ultimo suspiro gozei da alegria de voar. 
e voei, de volta com meus lábios, agora quentes e molhados para tua boca seca e sedenta do mar da sua boceta.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Filipe Punhagui’s story.