inconstância da vida

meu corpo dói
cada centímetro que você mastigou, cada roxo que deixou na minha pele resistente
minha cabeça suplica por uma noite de sono, mas o sono não é bom sem ti
contigo, entretanto, sequer durmo
pesa os olhos, o cansaço, a dor muscular por mais de cinco horas incessantes do sexo mais pesado que já tivemos
ora, temos o que comemorar
tenho, eu, pelo menos.
tenho a ti, num pedido medíocre no meio duma noite qualquer. que por sorte, em frações deslumbrantes de segundos eternos você sorriu e respondeu afirmativamente para a pergunta que eu não ousei fazer.