Bem-sucedido

Hoje em dia se fala tanto em “pessoas de sucesso”. Aquelas que conseguiram cedo um cargo alto. Salários acima do “normal”. Que passam seus dias, noites, finais de semana e feriados trancafiados em seus escritórios (sejam eles quais forem: coworking’s, casas, pequenas ou grandes empresas), sempre a procura de mais e mais resultados.
Parece que a cobrança pela “estabilidade” chegoumais cedo às novas gerações. Que definir uma carreira deve ser antes mesmo de concluir o ensino médio. Que você deve mostrar “seus dons” e “para o quê veio” antes mesmo de conhecer um pouco mais a fundo as inúmeras carreiras das quais você poderia seguir.
Não temos mais tempo para questionamentos de “será que o que estou fazendo, é mesmo o que eu quero fazer pro resto da minha vida profissional?”. Inúmeros artigos falando sobre esse questionamento; mas não conseguimos, de fato, parar para analisar; muito menos realmente seguirmos o desejo de mudança.
É sempre tarde. Nunca temos tempo suficiente para fazer uma nova faculdade, ou algum curso especializado. Menos ainda arriscar um salário e um emprego estável para nos aventurarmos em um recomeço em uma nova profissão. Como pagaremos os nossos gastos com um salário de júnior depois de ter conquistado um salário de sênior, afinal?
A verdade é que, vivemos em uma constante procura sobre qual é o sentido da nossa vida!? E se a questão não fosse salarial, o que você faria?
Queria que você acreditasse que nunca é tarde. Que vale a pena sim sair da área de conforto, e arriscar o estável por um novo sorriso mais sincero, mesmo que isso custe um pouco mais caro no começo. Que bem-sucedido é aquele que sabe sorrir. Que acorda todos os dias com vontade de viver o máximo o dia de hoje. E não aquele que tem grandes salários, e pouco tempo para usufruir dele.
Cada um sabe aonde lhe aperta o peito. Aonde lhe aperta o medo. Porém, quando você acreditar que o desperdício está no amor que não damos, nas oportunidades que desperdiçamos, nas vontades que camuflamos e nos sonhos que não vivemos; entenderá que perder uma vida toda fazendo o que não te move inteiramente para frente, é deixar de viver de verdade. É apenas se deixar levar pela maré, ao invés de remar. E eu sei que você sabe que, quando fazemos algo por nós mesmos, o gostinho da vitória é muito melhor do que aquele comodismo de receber todos os meses a mesma coisa, sem ter feito nada de diferente.
A vida precisa de altos e baixos. De bagunça e calmaria. De que você se jogue de cabeça no que acredita.
E então, está esperando o quê? O tempo, mesmo que passe sempre tão rápido, nunca envelhece. Tá sempre ali, só esperando você pegar seu barco e embarcar de vez em seu tic-tac descompassado. Pare de sempre procurar uma desculpa, e ache a motivação que precisa dentro de você!

[Marcela Mariotti Peres]