Criatividade e Brazilian Soul, por Oskar Metsavath, fundador da Osklen.

Em mais um dos encontros que tive durante esses últimos anos, esse certamente foi muito especial. Tive a oportunidade de conhecer o Oskar e do papo que tivemos tirei grandes ensinamentos na maneira que ele cria, inova e pensa em negócios.

“Eu estava no Colorado (USA) preparando uma nova campanha para a Osklen quando um dos diretores da Osklen me ligou e disse: Oskar, tenho uma má notícia para te dar… a Osklen ta pegando fogo! Voltei assim que pude e pude constatar que o incêndio consumiu completamente o galpão da Osklen, levando junto com ele todas as coleções antigas da marca que eu guardava para momentos de inspiração.

Depois dos bombeiros terem controlado o incêndio, entrei dentro do galpão para ter noção do estrago e dali surgiu a inspiração para a nova coleção. Pedi ao mesmo diretor que ligasse para toda minha equipe de estilo para que eles fossem até lá. Eu ia remexendo as cinzas e por baixo delas havia o colorido das peças das antigas coleções..

Fotografamos tudo e daquelas cinzas e coloridos nasceu a coleção Fênix da Osklen, que foi uma das coleções mais premiadas que já tivemos.”

Nesse encontro com Oskar, pude aprender algumas coisas que compartilho com vocês abaixo:

  • Criatividade nasce da desconstrução, do destruir e refazer. Os momentos de insight estão sempre presentes, basta termos a sensibilidade para notarmos eles.
  • Mesmo com todos os desafios que enfrentamos no Brasil para poder empreender ou desenvolver novos negócios, o brasileiro tem o que o Oskar denomina de “Brazilian Soul” que é o jeito criativo e inovador de construir novas coisas e ele defende que hoje o Brazilian Soul tem muito mais impacto que o American Dream
  • O novo luxo é o de servir os outros através de produtos e serviços de alta qualidade.
  • Os negócios têm de ser sustentáveis e gerar valor para a sociedade, não apenas visar o lucro. As empresas que não estão pensando e agindo dessa forma estão indo na direção errada.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.