“Como ser modelo plus size?” A pergunta de 7 entre 10 mensagens

“Como ser modelo plus size?” De cada 10 mensagens que recebo nas redes do Pop Plus 7 incluem essa famosa pergunta. Fico felizes que o mercado plus size esteja crescendo no Brasil mas esse não deve ser o único meio de uma mulher elevar a sua autoestima.

Famílias e amigos incentivam meninas plus size a entrarem para esse ramo como se essa fosse a única atividade que uma mulher curvilínea pudesse fazer. Mas assim como nem todas as magras podem ser modelos, nem todas as gordas podem. Para trabalhar nessa área é preciso preparo, trabalho duro e saber ouvir muitos nãos. É preciso também ter talento, dedicação e paciência pois muitas vezes o retorno financeiro demora e é preciso conciliar com outras atividades.

Preparei um post para tentar auxiliar mulheres e homens que estão tentando entrar nesse concorrido mercado. Antes de tudo, que tal refletir e responder para si mesmo essas questões?

  1. Tenho consciência de que ser modelo é uma profissão séria e não tábua de salvação para minha autoestima?
  2. Tenho consciência de que ser modelo é um trabalho duro como outro qualquer?
  3. Estarei disponível para acordar de madrugada para poder fotografar na melhor luz, viajar, encarar horas de sessões fotográficas, ficar longe da família, usar roupas leves em externas no inverno e roupas pesadas em um calor de rachar verão (já que os ensaios são feitos com meses de antecedência)?
  4. Tenho pontualidade para horários, simpatia, talento, carisma, consciência e expressão corporal e repertório para ficar horas fazendo inúmeras poses e recebendo orientações e ordens de inúmeros profissionais de foto, figurino e maquiagem?
  5. Tenho consciência de que até engrenar no mercado receberei diversos NÃO em testes?
  6. Minha autoestima está preparada para receber esses NÃOs?
  7. Tenho consciência de que nem sempre, — ao menos no início de carreira -, os cachês serão generosos e suficientes para sustentar minhas contas e minha família?
  8. Tenho interesse real em moda lendo revistas e blogs, frequentando eventos e me informando sobre tendências do mercado?
  9. Sei me impor perante agentes e bookers negociando contratos e exigindo melhores cachês e condições de trabalho?
  10. Tenho consciência de que para exercer legalmente a profissão de modelo é preciso de Registro Profissional (o chamado “DRT” — Delegacia Regional de Trabalho) e que sem ele não consigo contratos em grandes eventos? (Taxa do DRT em agosto/2016 em SP: R$ 1.330,00. Fonte: SATED/SP)

Se você respondeu SIM a todas essas questões, está ciente das dificuldades da carreira mas acredita que tem mesmo talento e dom para ser uma modelo do segmento plus size, aqui vão algumas dicas:

  1. Não existe pagar para entrar em agência. Se alguém te cobrar taxa ou pressionar para fazer book, desconfie! Geralmente as agências recebem uma porcentagem de cada por trabalho conseguido por uma modelo de seu cast. Nunca taxas ou inscrições antecipadas!
  2. Antes de enviar seu material para agências faça uma boa pesquisa e uma lista. Pesquise sua história no mercado, reputação entre as modelos, sua forma de trabalho, se tem departamento plus size. Assim você economiza o seu tempo e o da agência.
  3. Se você nunca teve uma experiência como modelo uma boa oportunidade pode ser fazer workshops ou cursos. Em SP temos conhecimento do Workshop Stand Out, dos Workshop do blog Mulherão, da 4Bigoo e das oficinas do Africa Plus Size Brasil e em MG dos workshops DasPlus, que podem te dar um bom direcionamento de carreira, treinamento e contatos.
  4. Procure um bom fotógrafo para um book profissional e seu composite. O composite é o seu cartão de apresentação aceito nas agências, clientes e castings.
  5. Em castings abertos, não exagere na maquiagem e na produção. Vá com um jeans e camiseta, saltinho baixo ou sapatilha, sem maquiagem ou maquiagem básica e cabelo natural ou preso em um rabo de cavalo. O cliente ou agência quer ver como você é para ele poder criar em cima. Seja natural e confiante!
  6. Lembrando que cast = elenco e casting = seleção de elenco.
  7. Nem sempre marcas pequenas contratam agências, então às vezes vale a pena mandar um bom material direto para as grifes com as quais você mais se identifique. Mas envie um material apresentável, nada de selfie feita no banheiro! Pode até ser foto não profissional mas com capricho, sem fundo estampado ou colorido. Fundo branco sempre.
  8. Pratique! Não tenha medo do espelho. Aprenda qual é o seu melhor lado. Treine suas poses, expressões e carões e andar de salto. Leia muito sobre moda, maquiagem e mercado. O fotógrafo e o diretor de arte geralmente dirigem um editorial mas nada melhor do que uma modelo que sabe o que está fazendo.
  9. Muitas marcas pequenas oferecem como cachê peças de roupa. Vai de cada modelo iniciante aceitar ou não. Pode ser bom para formar seu acervo de moda, ter o seu nome ligado a uma grife bacana e atrair novas parcerias. Mas não se esqueçam de que permuta não paga as contas.
  10. Assédio e abuso! Muitos profissionais desonestos aproveitam-se da carência da mulher gorda para tirar proveito, tanto financeiro quanto sexual. Caso aconteça algo grave denuncie na polícia imediatamente. Procure a Delegacia da Mulher de sua cidade ou ligue 180!
  11. Saiba fazer seu marketing pessoal! Seja profissional, gentil com o dono da marca, com as colegas de trabalho e também com as camareiras. Trate bem todos os profissionais que a cercam. Nunca se esqueça que hoje em dia tudo que você faz nas redes sociais é observado. E o número de seguidores nas redes sociais de uma modelo também é determinante em alguns contratos. Atualmente muitas marcas não querem se ver ligadas a profissionais com comentários gordofóbicos, racistas e LGBTfóbicos.
  12. E por último mas não menos importante: NUNCA ASSINE NADA ANTES DE LER (até as letras minúsculas).

Veja mais dicas e reflexões nos vídeos e links abaixo:

“Como ser modelo plus size?”, por Babu Carreira — de uma forma bem humorada, Babu dá dicas úteis e pertinentes

“Minha carreira como modelo plus size”, por Dé Fernandes — nesse post bem realista a Dé conta sobre o lado bom e o ruim da carreira

“Como se tornar modelo plus size”, por Adriana Libini — dicas da fotógrafa especializada no mercado plus size

“Agências e dicas de como ser modelo plus size”, por Ju Romano — dicas valiosas da Ju Romano

. Se o seu barato é fazer fotos apenas para aumentar sua autoestima sem necessariamente ser modelo, existem estes profissionais em São Paulo:

Adriana Libini — www.adrianalibini.com.br (que faz os Dias de Modelo e também book profissionais)
Robson Leandro
 — www.facebook.com/robsonleandrofotografia (fotógrafo oficial do Pop Plus)
Felipe Mariano e Jéssica Chamma — www.projetocadauma.com.br (do incrível projeto Cada Uma)

. Se você gosta de moda mas viu que não leva jeito para ser modelo, saiba que o mercado plus size no Brasil ainda carece de profissionais em outras áreas como marketing, gestão, assessoria de imprensa, direção de arte, modelistas (principalmente!!!), conteúdo para redes sociais e até mesmo vendas. Uma boa vendedora especializada no corpo plus size pode ganhar ótimas comissões e as clientes ainda sentem muita falta desse tipo de atendimento. Se você é das áreas de Comunicação, Design, Moda e Marketing, ofereça seus serviços para lojas especializadas. Com a crise infelizmente nem todas terão como contratar imediatamente, mas demonstrar interesse e apresentar um projeto atrativo é sempre o primeiro passo.

E lembre-se sempre: ser modelo plus size é uma profissão, não é sinônimo de felicidade e nem validação de beleza ou status. As mudanças em nossas vidas vêm de dentro para fora! ❤

PS: não temos parceria com nenhum dos serviços citados. São apenas profissionais que atuam no mercado e dos quais temos conhecimento.

A top model Fluvia Lacerda