Cruzando o País! Ou quase isso.

Meus áudios começaram em Jequié, na Bahia. Mas no primeiro áudio, em Jequié, eu falo sobre a viagem, num todo.
Eu sou uma pessoa desorganizada. FATO. Não pensei em tudo pra viagem, pensei que eu ia encher o tanque do carro no máximo umas 5 x e já não está sendo bem assim rs. Sou louca, isso todo mundo já sabe também. E me dou super bem com gente louca, pq pra mim, são as melhores pessoas rsrsrs
Peço ajuda sim e ponto final. Não quer ajudar, não ajuda, não to obrigando ninguém e não minto sobre a situação que tá rolando, fora isso, por favor, tô no meio de uma viagem estressante ao extremo, tenho uns problemas bem maiores pra me preocupar, infelizmente. Não me conhece mas quer saber da minha história, da história de vida da minha filha? Me chama no inbox, a gente vai conversar, pode ter certeza. =) Ou pode me chamar no whatsapp, se quiser, continua sendo o mesmo (47) 99264–0505
Voltando aqui… Primeiramente FORA TEMER!
Segundo, quero agradecer muito todo mundo que tá ajudando, todas as minhas amigas, amigos, num geral, pq eu não quero ser injusta e não vou conseguir marcar todo mundo, desde quem tá orando por mim, quem tá torcendo, mandando energia positiva, quem tá me acolhendo no caminho, quem pode ajudar com grana, quem não pode, mas pensa em mim com carinho, quem eu nem conheço e no meio dessa estrada da vida, me tratou super bem, me deu informações, me protegeu de certa forma tbm, pq né, sou louca, mas sou bobona tbm, EU ACREDITO NAS PESSOAS! E por sorte, só encontrei gente boa. Lugar que é pra comer e que deixaram eu tomar banho, lugar que é pra comer e deixaram eu ficar com o carro pra dormir, essas coisas. (o ruim é que eu sou péssima e esqueço de tirar fotos das pessoas, eu sou péssima nível hard mesmo, me perdoem). Me perdoem também os amigos que não consegui encontrar na viagem. Alguns por motivo de piriri, outros por motivo de adiantar a viagem, e outros por pressa minha de chegar logo mesmo. O NEGÓCIO É QUE EU QUERO QUE VCS VENHAM ME VISITAR, SE VIREM!!! (já podem, inclusive, trazer utensílios pra casa, agradecida rsrsrs)
Quero agradecer as pessoas que me incentivaram quando eu falei sobre me mudar, pq sempre tem gente que chega falando: FLÁVIA, vc tem problema, isso não vai dar certo!! E ficam tentando fazer vc desistir. Ainda bem que essas são poucas pessoas. A maioria me chamou de louca, mas no sentido bom da coisa, concordando que vai ser muito bom pra mim, pra minha Anna principalmente, me dando maior apoio de todas as maneiras ❤ ❤ ❤
Quando eu decidi me mudar, pensei: Por que me mudar? E não foi difícil encontrar a resposta. Eu não estava feliz. Eu estava bastanteeee infeliz, inclusive. As coisas não estavam bem, tudo tava dando errado, doença me fazendo ficar depressiva, a Anna acabando por passar por tudo isso comigo também; e eu já tinha ideia de me mudar, nem que fosse pra uma cidade próxima. Tinha também a possibilidade de morar em SP, mas eu confesso que tenho muito medo de ir pra lá, pra morar, com a Anna. Se eu fosse sozinha, ia fácil. No final do ano passado, a Raíssa, que é minha amiga e minha advogada, foi pra Corupá e nos encontramos um dia pra um banho de rio por lá. Ela já mora aqui em Natal há dois anos e ficou me contando que aqui era uma cidade muito boa e tudo mais.. Isso me fez pensar: Pq não, né? A Anna ama praia! Uma cidade maior, mas não tanto como São Paulo e mudar de vida. Tenho objetivos, por mais que não pareça rsrs Quero muito fazer um curso que na minha cidade não tem.. Mas dessa vez, não quero minha filha longe de mim. (pra quem não sabe, quando fiz instrumentação em SP, a Anna ficou em Jaraguá, foi um tempo difícil).
Tem WEG em Alagoas =D
Bom, mas aí quando eu decidi fazer essa viagem, a ideia, primeiramente, era que a Anna viesse comigo, de carro. AH FLÁVIA, MAS PQ??? Bom, já falei sobre isso, mas vou escrever aqui e espero que as pessoas leiam (rsrs desculpa, não aguento): Meu carro é um carro que me foi doado (tenho a declaração de doação, tudo certinho) e a pessoa que fez a doação, ela ainda está pagando o financiamento dele, tem no máximo umas 9 parcelas pagas, ou seja, se eu fosse vender, não ganharia nada em cima. E pelo que conversei com pessoal que faz mudança, se fosse pra mandar ele num caminhão, não valeria a pena, pq ia ficar muito caro (não me aprofundei nessa questão, então não sei o valor, me perdoem por isso tbm).
Como muitos sabem, eu amo dirigir e pensei, PQ NÃO, NÉ?
Só que, como sou louca, pra variar, não pensei muito na distância, nas dificuldades (apesar de eu já ter pensado antes em mandar a Anna de avião, mas acabei desistindo pq eu ia ter de pagar a passagem dela, da minha irmã de ida e volta, ia ficar muito caro também :/), não pensei muito, tinha colocado isso na cabeça e me organizei só pra fazer uma caminha pra ela no banco de trás. Dois dias antes de viajar, minha irmã me chamou pra almoçar com ela e me fez a proposta: Em julho, vou pra Fortaleza, visitar a minha amiga e aí eu levo a Anna junto, de avião. Minhas passagens já estão compradas, comprei a minha no corredor e da Luísa na janela, que aí ninguém compra a do meio, aí só preciso comprar pra ela, mas eu compro hoje mesmo, depois vc me paga. E assim: Vai que vc está no meio do nada na estrada, a Anna passa mal, como vai fazer? (Isso fez eu me decidir), fora que ela pode terminar o semestre aqui, você pode ir organizando com calma o apto lá (pra quem não sabe, vou precisar comprar tudo pro ap), eu levo ela, você vai até lá de carro, encontra a gente, aproveitamos pra passear por lá (de carro de Natal até Fortaleza são 5 horas mais ou menos) e depois vc leva a Anna pra Natal.
São praticamente 4 meses longe da pequena, eu tô uma semana na estrada e já tô morrendo. Ela também, temos nos falado pelo whatsapp e ela só fala Buscar Mamãe =(, hoje até chorou =( Isso dói, viu? Nossa. Mas sei que vai ser bom pra ela, vou mesmo poder organizar as coisas e receber ela com tudo pronto. ❤
A vakinha que eu fiz na internet, a princípio, era pras despesas que a gente ia ter na viagem, inclusive, por isso que não me organizei tanto assim financeiramente, pq eu estava contando com a vakinha. Só que nem lembrava dessa coisa de liberar o valor só depois de 14 dias, e foi aí que eu acabei me lascando legal. Por isso o post pedindo ajuda, quando cheguei na Bahia. (https://www.facebook.com/flavia.mathedi/posts/1887880461433496)
Por conta da vakinha ter esse tempo pra liberação do valor, explico pra vocês: O valor da vakinha, quando receber, será usado pra pagar a passagem de avião da Anna e o que sobrar, pra comprar o básico pro apartamento. (consegui comprar uma geladeira, um colchão e uma mesa de plástico). Ou seja, de qualquer jeito, o dinheiro será usado da melhor forma possível. (Vou fazer prestação de contas sim)
Rio São Francisco — Propiá
Voltando pra viagem, né? Rsrs Saí de Jaraguá do Sul, de quinta pra sexta, de madrugada, cheguei em São Paulo na sexta ao meio dia, por aí. Passei o final de semana em São Paulo, na casa da Flávia ❤ e na segunda fui para o Rio de Janeiro, fiquei um dia e meio por lá, na casa do Moa ❤ e aí de lá meio que começou a viagem ao desconhecido mesmo, a aventura. Do Rio pra frente, eu não fazia ideia de onde ia parar. Claro, tenho amigas e amigos espalhados em um monte de lugar no Brasil, mas em alguns momentos, estava exausta e não tinha a menor possibilidade de chegar em cidade X, onde eu conhecia alguém. Foi uma noite dormindo num hotelzinho anexo a um posto de gasolina em Leopoldina — MG, no posto tinha uma moça trabalhando, me senti mais segura; mais algumas horinhas na casa do Matheus e da Mirele (detalhe que avisei em cima da hora — Mirele maravilhosa ❤, super bacana comigo) em Governador Valadares — MG; uma noite dormindo no carro em Ponto dos Volantes — MG (Minas Gerais acaba nunca gente, hoje entendo o pq da música Ó MINAS GERAIS, Ó MINAS GERAIS, QUEM TE CONHECE NÃO ESQUECE JAMAIS, tem como esquecer não esse trem enorme); mais uma noite dormindo no carro em Umbaúba — SE, detalhe que atravessei a Bahia toda em um dia; E ontem, sábado, dia 18 de março, saí de Umbaúba, no Sergipe, atravessei Sergipe, Alagoas e cheguei em Recife — PE, mais precisamente em Paulista, que fica ao lado de Olinda, na casa do meu amigo André e da família dele que é maravilhosa ❤. Vou ficar por aqui hoje, (18/19/03) apesar de ter dormido bem essa noite, me sinto extremamente cansada ainda, meu pé direito tá super inchado, quero aproveitar que estou nessas cidades maravilhosas e passear sim, tirar muita foto dos lugares lindos, me aguardem..
Continuando os áudios: Estava me perguntando se eu tinha amigos pra poder pedir abrigo em Aracaju, apesar que depois eu vi que Aracaju ficava fora da rota. A maior parte da minha viagem foi em pistas que não são duplicadas, então todo cuidado foi pouco. Muito motorista imprudente, mas tinham também uns super cuidadosos, não posso generalizar. Para todos os motoristas que eu vi que a placa era de Santa Catarina, quando eu ia ultrapassar, buzinava e recebia a buzinada de volta, era tipo um Oi! =)
Teve um que ficou doido até… Um caminhão com placa de Orleans! Eu passei por ele, buzinei, ele buzinou de volta, depois ficava dando sinal de luz. Parei num posto pra abastecer e quando voltei pra estrada, acabei ultrapassando ele novamente e novamente buzinadas e ele fazendo sinal de luz alucinadamente hahahaha só ele achou mesmo que eu ia parar, né? SOU LOUCA, MAS NÃO TANTO. Uma coisa que me deixou muito triste foi ver tanta gente, na beira da estrada pedindo carona. Senhores de idade, mulheres com crianças, famílias inteiras, sabe? Alguém me falou antes de viajar: — Flávia, só não vai parar pra ninguém na estrada, hein? E eu não parei, porque como não conhecia os lugares, não sabia se era mesmo alguém que precisava ou se era alguém que ia arrancar meus órgãos e vender no mercado negro. Nessa, infelizmente, não pude ajudar. Em compensação, tadinho do Moa, que me acolheu na casa dele no Rio de Janeiro. Ele me ajudou a fazer um monte de lanchinhos e me deu um monte de pacotinhos de biscoitos pra ir comendo durante a viagem. Uma pequena parte eu comi, o resto eu distribuí, até com catiorinho na beira da estrada que tava seco, seco, seco de magrelo. GENTE, EU VI MUITA COISA! =( Não tô me pagando de boazinha, apenas contando mesmo, não tem pq eu não falar. E também que meu, a pessoa pode ser muito ruim, não tem como não doer de ver todas as coisas que eu acabei vendo durante essa longa viagem. A pessoa pode até não fazer nada, mas que dói de olhar, ah isso dói viu. E mais.. A gente só não faz mais alguma coisa pelas pessoas e animais que vê na rua, pq não pode! Se eu tivesse condições, foi como disse em outro momento desse relato, provavelmente eu ficaria pobre rapidinho também, pq ia gastar tudo dando coisas pra galera na rua, em especial pra quem eu vi na beira da estrada nessa viagem, que são pessoas que precisam demais =(
:’(
Áudio do dia 17/03 — Em Minas, a gasolina tava na faixa de 3,80 até 3,99 o litro, um absurdo. Quando postei que ia ficar só algumas horas em Leopoldina, meus amigos todos falaram pra eu dormir lá, pra não ficar viajando a noite, aí fui conversar com o rapaz e ele fez por 5 reais a mais pra eu passar a noite toda, então no fim valeu muito a pena, pq tinha café da manhã, quarto com ar, simples, mas muito bom. 14 hs e pouco eu cheguei em Governardor Valadares e fui pedir abrigo pro Matheus, que mora com a namorada Mirele e o filho Peter. Não consegui ver o Matheus pq ele tava no trabalho, mas conheci o pequeno, depois tem vídeo =)
Estava crente que ia chegar na Bahia nesse dia, dia 17. Mas não, cheguei meia noite e pouco em Ponto dos Volantes, onde descansei no Merlo, que é um lugar 24 hs tbm, parada de ônibus, um Graal mais rústico. Me atenderam superrrr bem e me falaram que eu podia ficar lá pra dormir, no carro, que tinha câmera pra tudo que é lado, que eu não precisava me preocupar. Foi bem importante pra mim isso. E como eu não estava mais aguentando, fui capotar no carro mesmo. Nesse lugar que tem 20% de desconto em quase tudo, pra quem é viajante. Lembro que acordei 3 e pouco da manhã por causa de um ônibus que chegou lá, mas logo dormi novamente e acordei quase 7 da manhã; tomei o cafezinho de cortesia deles, pra não gastar.. e depois de falar com minha irmã e a Tere no whatsapp, continuei a viagem =)
Cheguei em Vitória da Conquista com bastante atraso, pq rolou um congestionamento básico em cada entrada de cidade.. Em cada entrada de cidade, tem lombadas; e os caminhões, treminhões, que são enormes, praticamente param pra passar nas lombadas e como não era duplicado, né? Aí acaba rolando uma lentidão mesmo.. Sobre a estrada: Até São Paulo, bem de boa.. Do Rio pra Minas também, até pq né, 17 reais de pedágio, affsss. Agora, de Governador Valadares pra frente, que ruimmmm, bastante buraco e eu tava viajando a noite, todo cuidado era pouco… Algumas partes da rodovia, tinham aquela terceira faixa, sabe? Mas a maior parte era sem. Relatei nos áudios que vi muitas placas de Santa Catarina, como: Içara, Videira, Indaial, Joinville, Rio Negrinho, parei num posto pra calibrar os pneus e encontrei dois caminhoneiros de Guaramirim, de uma transportadora chamada Kamer, um mora atrás da Polícia Rodoviária, ficaram passados quando falei que tava indo sozinha pra Natal rs
Como já falei no face também, vi muitos bichinhos mortos na beira da estrada, vi também muita marca de sangue; marcas grandes, como se os animais ou pessoas, não sei, tivessem sido arrastados =( Tive de parar muitas vezes em postos de gasolina, tipo, muitas vezes mesmooooooo, por causa do meu pé, que doía muito, ficava inchado. Eu parava e fazia uns alongamentos, massagem, mas foi bem complicado lidar com essa dor.
Importante falar sobre isso: No primeiro áudio comentei que não tinha duplicação na maior parte das rodovias. Eu comento no áudio que na Bahia começam sim a ter as pistas duplicadas, e foi só eu falar isso e a pista voltou a ser estilo br-280, ou seja, uma parte da Bahia tem pistas duplicadas e outra parte não, uma grande parte não é, o que requer o dobro de atenção. Igual Governador Valadares, quando cheguei lá elogiei muito a estrada, aí saí de GV e começou a ficar muito ruim, muito buraco e a rodovia bem ruim mesmo. Como preciso ficar bem alerta e muita atenção por causa da estrada ruim ou sem duplicação, a mente cansava de um jeito que não foi fácil. O corpo queria continuar, mas a mente cansada me fazia parar várias vezes.
João Pessoa é sensacional ❤
Br 101 — Passei Feira de Santana e vc precisa pegar a direita, anda uns 15 km pra pegar essa BR 101, que é sentido Aracaju, Sergipe. O Maps falou que eu teria de percorrer 190 km nessa rodovia. Quando eu entrei nela, começou a chover muito, mas era tanta chuva, que eu quase paro no acostamento. Só não parei pq eu tinha reparado já que era uma bosta o acostamento lá. Eu escutava os pneus fazendo aquele barulhão de água espirrando, pista toda afundada por causa dos caminhões, não consegui desviar e atropelei um sapo. :’( Um fato que me assustou é que: muitos sapos, muitooosss sapos e muitos esmagados na rodovia (tinha muita sujeira de sapos esmagados que quando tu olha, acha que é pedrinha, só fui me dar conta que eram os sapinhos, pq o carro passava e não fazia barulho de pedra nos pneus. Os sapos que eu não atropelei e que eram muitos na br, eram também mutantes, enormes, me assustei, sério. Nunca vi coisa igual em todos os meus 34 aninhos de vida. Fui bem devagar e mesmo assim, foi bem ruim. Até o cheiro nessa estrada era ruim =( parecia que tinham feito queimada durante o dia, algo assim.
Nesse áudio eu relato a cena mais chocante pra mim nesse tempo que estou na estrada: Vi um cavalo morto, com a barriga toda aberta e o buraco da barriga todo vazio pq os urubus já tinham comido tudo e uns 10 minutos de estrada pra frente, um homem no acostamento, deitado, não sei se vivo ou morto, meio que em posição fetal, infelizmente eu não parei pra ver, pois como não conheço e não sei se era uma cilada, bino, não me arrisquei não pra descobrir se tava tudo bem, se tava morto, se tava tchuco da cachaça, etc.. Pensei comigo mesma: se estiver morto, meus sentimentos pra família dele, pq né? =( mas não tinha sangue, nem nada, então quero acreditar que era um tiozinho bebum..
Comentei que logo ia precisar parar pq estava com muito sono e que era sexta-feira rs e novamente comento sobre meu sono, estava muito cansada mesmoooooo. Depois de rodar um tanto, encontrei um local, na cidade de Umbaúba, Sergipe, já passava da meia noite e meia, eu estava podreeeeeee, dormi no carro.. E dormi no carro, bem mal, pq estava com medo. Passei por umas 3 pousadinhas no caminho e os caras que me atenderam ficaram insistindo pra que eu ficasse. De uma forma bem horrível assim, posso dizer.. Teve um que eu falei que não ia ficar, que tava caro pra mim e ele grudou as mãos na porta do carro, a janela tava baixada, pq nem saí do carro pra perguntar o valor, ele foi diminuindo o preço até quase ficar de graça e ficava falando Vai não, Vai não.. Uma cara de nojento, que na boa, sem chance de ficar lá, não ia dormir igual. Esse dia foi um dia bem complicado.
No dia 18, quando pego a estrada novamente, logo cedo, vejo a seguinte cena: uma mulher, levando um carrinho de mão super pesado e o cara do lado, só acompanhando. AI MEUS SAIS FEMINISTAS VIU E sim, o homi não parecia ter problema nenhum não; se tinha, me desculpa, mas não dá. Outra coisa: Da Bahia pra frente, muitaaaaa gente andando sem capacete nas motos. MUITA! Teve um momento que a viatura da polícia passou por mim, atrás de mim estavam vindo dois rapazes na moto sem capacete, ou seja, eles VIRAM eles, passaram direto como se não tivesse nada acontecendo e eu WTF??? PERPLECTA*. Num outro momento, ainda na Bahia, um cachorrinho estava atravessando a BR, só tinha eu lá, mais ninguém, tava bem deserto; eu nem sei de onde ele saiu e pra onde ia, só sei que eu vi que ele tava SUPER magrelo. Não me aguentei, dei meia volta e fui procurar ele. Quando achei, ele correu pro meio do mato, com medo, mas ficou olhando lá do mato pra mim. Não me aproximei mais, pq deixei o carro ligado e fiquei com receio, mas fui no carro, catei um dos sanduíches que fiz na casa do Moa e coloquei bem perto de onde ele entrou. Pq né? Mínimo.
No Sergipe, em uma cidade que não me recordo o nome, parei num posto de gasolina pra calibrar os pneus, onde vi uns 5 frentistas numa rodinha conversando, enquanto no espaço onde calibra, estavam um rapaz adulto e uma criança de no máximo uns 10 anos. O rapaz pedia pra pessoa quanto era pra calibrar e em seguida, MANDAVA o menininho calibrar os pneus pra pessoa. Em troca, as pessoas davam algumas moedas pra eles. Eu fiquei pensando assim, poxa, primeiro que o menino nem deveria estar ali, mas se pelo menos fosse o contrário, se ele ficasse no calibrador, apertando os botões de quanto era de calibre pra colocar, estaria mexendo com os números, aprendendo alguma coisa e o adulto que fizesse o trabalho *mais pesado*. Pior que assim, eu tinha parado num posto um pouco antes e tinha dado todas as moedas que eu tinha pra colocar o máximo que conseguisse de gasolina no carro, então eu nem tinha din din pra dar pro menino. Eu achei aquilo tão absurdo, mas a única coisa que consegui fazer foi falar que não queria, que eu sabia calibrar sozinha e não precisava. Odeio ser pobre, se fosse rica, ia ficar pobre rapidinho tbm, que ia trazer essas criançada tudo pra casa rsrs. Vi também muita comunidade na beira da estrada, gente que vive numa situação bem difícil. Mas bem difícil mesmo. Posso nem ficar reclamando da minha situação, pq chega nem perto do que esse povo passa. Criança pelada, sem calçado nenhum. O pessoal vendendo de tudo que é coisa na beira da rodovia, se sustentando do que eles tem em cada estado, pra viver, do que predomina em cada região. Em Minas, vi muita gente vendendo queijos, nos outros estados pra cima, tinha desde artesanato, água de coco, caldo de cana, fruta do conde, até caranguejos vivos. Gente muito simples e que merecia mais atenção do governo, só pra constar.
Venda de caranguejos vivos na beira da rodovia
Outro áudio do dia 18 de março: Em Sergipe, a gasolina estava mais barata, estava na faixa de 3,59. Rio de Janeiro, Minas e Bahia, estava bem mais caros. Claro que tem uns postos, assim caindo aos pedaços, sem bandeira, sem nada, com valor de 3,45. Mas né? Falei sobre ter abastecido em Poções, na Bahia, no dia anterior, 125 reais, não encheu o tanque e ter rodado até Umbaúba, no Sergipe, pra ficar na reserva. Ou seja, pelo maps deu 545 km. Reclamo que estou vendo muitas placas de praias, mas que não vejo praia nenhuma rsrsrs (depois descubro que não vejo praia nenhuma pq preciso entrar e andar sei lá quantos km pra chegar em alguma praia, ou seja, eu nem ia entrar mesmo). Ah, quem é de Jaraguá: Não reclame do trânsito da cidade, aqui é uma bagunça só. As cidades maiores, até é mais organizado, mas em várias cidades que entrei, desde estado de SP, Rio, Minas, Bahia, todas aqui pra cima, é uma bagunça só, ruas estreitas, galera com carro estacionado em tudo que é canto atrapalhando as outras pessoas, as motos do povo sem capacete uma doideira só, ruazinhas horríveis, muito buraco, pedra, lombadas sem sinalização, o caos domina mesmo, deu medo pra caralho nessas porra. Ah, e ainda bem que eu mandei o carro pra oficina antes de viajar e o Michael arrumou toda a parte de suspensão e amortecedores do carro, pq olha, se não tivesse feito, certeza que o carro não chegaria inteiro em Natal.
Falo muito sobre os cavalos que vejo na beira da rodovia, se alimentando e tal, mas que são muito magros. Eu fico passada com isso, pq os cavalos que vi se alimentando, eram tão magros, as costelas, dava pra ver bem, sabe, muitoooo magrinhos, uma dó que olha =( Também comentei sobre uma cidade no Sergipe chamada Maruim, ninguém merece, até uma cidade esse bichinho desgraça tem. Dia 18 de março ainda, chego em uma cidade chamada Rosário do Catete e claro que quando eu vejo a placa, leio Rosário do Cacete hahahahahahaha
Cheguei em Propiá! Olha, olha: O município, que comandava administrativamente várias cidades da região do rio São Francisco, era conhecido na época como “Urubu de Baixo” e pertencia a Cristóvão de Barros, conquistador de Sergipe, que doou em 9 de abril de 1590 ao filho dele Antônio Cardoso de Barros.
Ou seja, eu estava certa no meu vídeo!!! O cara deu a cidade pro filho, por isso que chama Propiá rsrsrs Mentira gente, não sei se é por isso, mas que parece ser, parece. Aqui fica a divisa entre Sergipe e Alagoas. É também por onde passa o grandioso Rio São Francisco. Me emocionei quando passei por lá, é lindo ❤
Vejo novamente placa de praia, uma praia chamada Pirambu! Entrei pra ver e eram 18 km pra dentro de uma cidadezinha, cheia de vilas. Comento algo que percebi desde Minas Gerais: Em todas as cidadezinhas que passei, por dentro ou pela rodovia, porque quando a gente passa pelas cidades, sempre tem lombadas e radar, então tem de diminuir bastante, as pessoas me olhavam como se eu fosse um ET! Vejo novamente um cavalo, com um monte de urubu em cima dele. Voltando pra praia de Pirambu, eu não a encontrei! Disseram pra mim que tem sim, mas eu não fui mais além não, a estrada era horrível, muita lama, buraco e o máximo que vi foram algumas dunas, mas praia mesmo, não encontrei. Voltei pra estrada e passei por um rio chamado Cafundó. Acho sensacionais os nomes de rios e cidades por aqui rsrsrs
Divisa de Sergipe e Alagoas, ao lado do Rio São Francisco ❤
Continuando a viagem, chego finalmente no Pernambuco. Como cheguei, já tava escuro, não vi muito de Recife nesse dia (18/03). Seguindo o Waze pra chegar logo na casa de André, pois estava muito cansada e nhaquenta, queria um banho urgente! Fui recebida por ele e pela mãe, Célia, uma querida. No dia seguinte, fomos passear em Olinda e lá de cima, do Alto da Sé, vi um pouco da cidade de Recife, com o melhor guia me apontando os lugares e perguntando se eu queria ir até lá conhecer. Como eu ainda estava mega cansada, deixei pra outra oportunidade. Conhecer Olinda já estava de bom tamanho pra mim. Fora que a ansiedade, por saber que eu já estava perto do meu destino, estava tomando conta de mim, só fiquei um dia a mais no Pernambuco, pq estava com muita dor. A gasolina lá custa 3,14. Bem mais em conta que em todos os outros lugares, aproveitei. Bom, segunda pela manhã, tava carcando fora rsrs. Ainda queria passar em João Pessoa, então precisava agilizar. Duas horinhas de viagem e eu estava em Cabo Branco, João Pessoa, Paraíba. Lugar estupidamente lindo! Passei quase a manhã toda por lá e em seguida encontrei com o conterrâneo Genesio. Tomamos uma água de coco, passeamos um pouco por alguns pontos turísticos e como queria chegar cedo em Natal, logo continuei o percurso.
Três horas depois estava chegando em Natal. Passei por Nísia Floresta, por indicação do André e vi muitos lugares lindos. Passei por algumas praias até chegar no meu destino, tirei fotos, fiz vídeos, tudo isso vou postar pra vocês em seguida. E o kazinho, sem ar condicionado, firme e forte. Seguindo o Waze, chego na rua do condomínio onde vamos morar. Entro em contato com a Raíssa e com o corretor para saber onde estão e estão chegando. Nessa, eu com o carro ligado, acende uma luzinha no painel. O carro estava fervendo hahahahahahahaha
A viagem inteira e ele ferve quando eu chego. Claro que eu fiquei a viagem toda verificando a água, óleo, tudo certinho. Depois de uns 10 dias que fui descobrir que daquele dia em diante não estava disparando o ventilador, por isso que fervia. Sim, gente, saí várias vezes com o carro e precisei largar ele na rua, pq ferveu algumas vezes mais. Eu até achei que ele tava igual a dona, tentando se adaptar ao calor, achei que tava sendo difícil pra ele também, mas que nada hahahahaha
Fiquei umas duas semanas dormindo na casa da Raíssa e do Eduardo, até comprar um colchão, uma geladeira e uma mesinha de plástico. Duas semanas depois, comprei um fogão usado. E estamos aí. Com a ajuda de vocês, consegui chegar, pagar a viagem da Anna e consegui comprar essas coisas com a Vakinha. Os próximos 3 meses, vou guardar o dinheiro, pra mobiliar o quarto da Anna. Acho que vou ter de usar o guarda roupa dela por um tempo rsrsrs
Quando cheguei em Vitória da Conquista, na Bahia, estava com 250 reais no bolso, ¼ de gasolina no tanque e ainda faltavam quase 1500 km pra chegar em Natal. Fiz um post pedindo ajuda (https://www.facebook.com/flavia.mathedi/posts/1887575681463974) marquei todos os amigos possíveis naquele momento, pois estava do celular, e era meio ruim pra fazer isso, mas marquei. E tive ajuda. O ser humano é muito bom sim! Foram mais ou menos 300 reais que tive de ajuda, o que deu pra colocar gasolina pra conseguir chegar em Natal. Gostaria de agradecer imensamente todas as pessoas que estiveram ao meu lado, torcendo, ajudando de qualquer forma, apoiando, me passando palavras de conforto e de incentivo, sem vocês eu com certeza não teria conseguido. A ajuda em dinheiro, quando vc tá desesperada é um alívio? Claro que é, nossa, e como é. Mas a ajuda com a torcida e a energia de vcs é demais também, foi muito importante pra mim ter sempre os amigos torcendo para que a viagem fosse tranquila, orando por mim, pedindo minha proteção. Vocês FORAM SENSACIONAIS!!! Quero agradecer todo mundo que me recebeu em suas casas por onde eu passei, mesmo sendo de última hora (né Matheus e Mi) e dizer que me sinto muito privilegiada por ter a amizade de vocês. Amo muito todos vocês e quero vcs em minha vida pra sempre! Hoje, exatamente hoje, completa um mês que estou em Natal.
A adaptação ainda está sendo difícil. Eu odeio o calor, o que eu vim fazer aqui?? Estou com uma doença de pele, que consegui diagnóstico só essa semana, chama Ptiríase Rosa, que pode durar meses até sarar. A médica disse que a chance é grande de ser estresse e eu não duvido não, pois estou com isso desde o Rio de Janeiro, ou seja, mais de um mês já. Lembro que como meu carro ficava na rua, eu tava MORRENDO DE MEDO de alguém levar ele embora rsrs. Quanto ao calor, sei que é questão de acostumar e fiquei aliviada de o que eu tenho na pele não ser alergia ao calor, já pensou??? Já conheci uma turma muito legal de corrida, através da Personal Angela, que dá aula de funcional e hidropower aqui no condomínio e eles sempre estão me chamando pra fazer trilha, coisa que eu nunca tive o costume de fazer. Isso me ajuda em vários aspectos: Minha volta aos exercícios, pq quando vc tem mais gente junto, te incentivando, faz muita diferença; a interação, pois estou conhecendo outras pessoas, não me sinto tão só, fora que é uma galera super animada e bacana. Agradecer de todo o meu coração a Raíssa e o Luiz Eduardo, que estão me aturando e me alimentando nesses primeiros dias, fiquei lá quase duas semanas, até conseguir comprar as coisas pro apto (esperando cair o valor da vakinha). Não posso esquecer da Larinha, catiorinha da Raíssa, que é minha lindinha e tbm me faz companhia, já que sua mamai trabalha o dia todo rsrsrs. Saudade estratosférica de Jaraguá, mas ao mesmo tempo estou amando Natal. Só queria que fizesse frio aqui rsrsrs
Em Ponto dos Volantes, Minas Gerais, MORTA DE SONO
Pra quem quiser me ajudar, vou deixar alguns dados, porque sim, ainda preciso de ajuda. Até as coisas se acertarem por aqui em definitivo vai demorar um bom tempo ainda, tá sendo bem difícil pra mim :/ Por isso que eu tô aceitando e precisando da ajuda dos meus amigos. E vocês sabem muito bem que quando as coisas melhorarem, (no sentido financeiro da coisa) vcs podem contar comigo tbm, tô longe, mas tô aqui. ❤
Pelo paypal vocês podem me ajudar com cartão de crédito, já é mais uma opção, só procurar pelo meu email lá: flaviaeloa82@gmail.com
Tem a conta da Caixa Econômica Federal
Agência 3077- Conta Corrente 1753–8 Código de operação 001
Flávia Eloá Ignácio
CPF 046.917.499–42
E tem a conta da Anna, no Itaú
Agência 8453- Conta Poupança 16321–7 Código de Operação 500
Anna Júlia Rieko Ignácio Ariga
CPF 071.481.159–90
MUITO OBRIGADA!