A dor do futebol

Hoje já é, naturalmente, um dia triste, mas para os amantes de futebol me parece ainda pior. Eu comecei a gostar de jiu jitsu, procurei saber sobre as modalidades do mma, assisti aos jogos olímpicos, curti a ginástica artística, mas o futebol sempre foi minha paixão.

Nós, amantes do futebol, acompanhamos a história da Chapecoense, a trajetória, vimos cada conquista, muitas vezes torcemos por eles, como se fosse o nosso próprio time. Vibramos com a ascensão incrível do clube, nos surpreendemos com a capacidade, tomamos gosto pelo futebol dos meninos do interior e infelizmente não conseguiremos ver o sonho realizado, a conquista daquele elenco que lutou tanto pra chegar onde chegaram, o sonho foi interrompido. Isso não significa que devemos perder a esperança, a Chapecoense com a nossa ajuda, a ajuda dos clubes brasileiros e dos demais envolvidos com o futebol irá se reerguer e com a ótima gestão alçará novos voos, quem sabe ainda maiores do que esse que foi interrompido.

Com esse texto quero dizer que a Chapecoense quebrou barreiras que antes não imaginaríamos serem quebradas no futebol brasileiro, interrompeu o clubismo e se tornou o time de milhares de brasileiros, fez história e será sempre lembrada por todos nós.

Não, não é só futebol, é empatia, carinho, generosidade, é se colocar no lugar do outro, é lembrar que, além de um time espetacular, se foram pessoais sensacionais e que merecem nosso respeito.

Like what you read? Give Flavia Pacheco a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.