As 6 críticas sociais pesadas que você não conseguiu enxergar em Mad Max — A Estrada da Fúria
Larissa Palmieri
62290

Muito bom texto, muito bom filme, concordo em todos os pontos, porém, em defesa do George Miller e dos três primeiros filmes, o único momento em todos os filme em que o Max tem o objetivo de salvar alguém é no primeiro, ao tentar salvar sua mulher no fim do filme e ele ainda falha, dali em diante, o Max sempre foi retratado como uma pessoa comum tentando sobreviver nesse mundo pós apocalíptico, ele nunca começou nenhum dos filmes com o objetivo de salvar alguém e nem mesmo vendo as pessoas em necessidade fez ele pensar assim. Ele simplesmente se vê em situações em que ele pode tirar algum proveito em ajudar as pessoas e no meio do caminho percebe que está fazendo isso pois no fim das contas ele ainda tem um bom coração. No fim das contas, tirando o primeiro filme (onde bem no fim ele resolve as coisas sozinho mas não sem se ferrar muito), ele dificilmente resolvia as coisas sozinho, no segundo filme ele precisou da ajuda das pessoas que ele estava ajudando e no terceiro filme a mesma coisa com as crianças do vilarejo. Acho que são esses traços da personalidade do Max que foram trazidos para o filme novo e se encaixaram perfeitamente nessa nova história (e que foram mto bem interpretados sem muitas palavras pelo Tom Hardy). Enfim, acho sim que o George Miller desconstruiu o lobo solitario que salva a mocinha no final, mas ele vem fazendo isso desde 1979 =P

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.