Varrendo tudo.

2160 horas aqui ou seja 12 semanas.

O Marcel não falou comigo, ele digitou: “Então, tu teria disponibilidade de mudar de cidade?” Eu não respondi, digitei: “Cara, teria sim”.

Foi assim, rápido como quem rouba. Com essas palavras, ainda tenho a conversa salva pra provar.

— Caralho, Arthur. Eles erraram a pasta, certeza. Não pode ser… 
 — Mermão, se eles erraram, vai pra lá e não deixa eles perceberem.

O portfólio não estava tão bom, mas estava tão bom quanto poderia estar. Ainda tento me convencer disso, mas a certeza de que eles erraram a pasta é maior.

Um mês depois, eu chegava em Fortaleza. Trouxe o que tinha ou o que dá pra trazer no porta-malas de um Citroen C3. Duas mochilas, um violão e o celular. Deixei muito mais do que a camisa do Manchester. Deixei tudo. Tudo que dizem ser importante nos filmes do Adam Sandler e que nos passa batido porque ter amigos, família e namorada é super normal pra qualquer ser humano médio, de beleza média-baixa e de personalidade média-média.

E hoje? O que é mais importante que isso? Agora, é não deixar acabar a água da geladeira. Esqueci no final do mês passado e passei três dias tomando água da pia. O motivo de não ter comprado, já disse: final do mês. Morar sozinho é isso, uma corda bamba que de um lado é conta, do outro é louça suja e uma vontade constante de voltar.

Se eu quero voltar pra casa? Sim. Se eu tô arrependido? Jamais. E foi por isso que, nesses três meses, já fui a Natal quatro vezes. E sempre volto com aquela sensação de estar indo, porque voltar, voltar mesmo, a gente só volta pra casa. Eu nunca trampei tão longe. Mas posso dizer que tenho um bom ponto de apoio no meio do caminho, a 700m do trabalho e a 8 horas de casa: um flat sem glamour nenhum (a.k.a kitnet) que com certeza é caro demais pra eu estar pagando.

Mas eu tô vivendo bem, mãe. Lavo minhas cuecas diariamente. Arrumo a casa aos sábados, varrendo tudo. Não poderia estar melhor, sério.

Ah, essa é a inspiração do título. Se fosse um “varrendo” figurado e motivacional era um roteiro do Van Damme, não um texto pra hipster ler no Medium.

Até ontem, eu não sabia direito o que me fez largar Natal e vir tão rápido. Botava culpa no mercado publicitário de lá, que anda tão mal quanto um bêbado de perna quebrada. Mas o mercado não era mais importante do que todo o resto ou todo o todo.

Então, li uma frase do Don L, em que ele tentava explicar o que era o Karin Aïnouz, o cineasta:

“Ele tenta traduzir um inconformismo cearense, de ver as possibilidades que a gente tem e não se conformar com elas.”

Tenho certeza de que essa frase não faria sentido nenhum se eu já não estivesse pensando sobre isso há algum tempo. Foi esse o motivo de ter aceitado aquela proposta como quem rejeita um cartão da C&A. Talvez, eu sempre quisesse andar com eles no recreio.

Enfrentar a vida monótona como eles fazem. Ganhar e rir da cara dela no final de cada dia. Ser um pouco como Pipoca. Não a comida, o cara. Um rasta local que conheci em outra vida, que comprava tênis e tinha ideias fodas ao mesmo tempo e na mesma intensidade.

Eu acho que vim por isso, mah. Pra tentar ser cearense também. Pelo menos na cabeça.

Agora foi metáfora.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.